Viagem ao Japão – Dia 10

Roteiro e Sugestões do 10º Dia de Viagem no Japão

No último dia no Japão, decidimos queimar os últimos cartuchos. Como a nossa boleia para o aeroporto era só às 16 horas, decidimos acordar cedo, tomar o pequeno-almoço (fomos os primeiros a chegar a sala ainda não estava aberta). Mas antes fomos aproveitar as maravilhas do hotel e tirar umas fotografias nos jardim japonês que lá tinham. Depois o nosso destino era a Tóquio Tower.

Japao Todio Dia 10 (1)
Tokyo Tower

Tokyo Tower

Após uma caminhada com cerca de 30 minutos chegamos à Tóquio Tower. Este é uma torre de comunicação com 333 metros de altura. Inspirada na torre Eiffel e pintada com a cor vermelha da bandeira japonesa. A torre foi erguida em 1958 e até hoje é dos principais pontos turísticos da cidade. Mas não é só uma torre, no seu interior existem lojas e restaurantes. Podem subir até ao topo por 3200 yens. Eu subi apenas até metade, para conhecer avista fantástica de Tóquio. Através de uma abertura que fizeram no chão, com um piso de vidro, é possível conheceremos a verdadeira altura. Aviso já que esta experiência causa vertigens.

Japao Todio Dia 10 (6)
Posição vertiginosa

Tokyo One Piece Tower

No interior da Tokyo Tower é possível visitar um museu dedicado inteiramente ao anime One Piece. Fomos dos primeiros a chegar, pois só abria às 10 horas. Eu na verdade pensava que não ia ser nada de especial, e a minha opinião mudou logo quando entrei. Fomos levados para uma sala escura onde foi apresentado um fantástico filme a 3D da história geral. Depois fomos encaminhados para uma porta onde lá podemos conhecer as personagens de One Piece. Estátuas bem elaboradas do grupo do chapéus de palha com a música “We Are“. Este foi um momento para fotos. Depois de subirmos um andar, encontramos vários jogos divertidos, um dedicado a cada personagem. Tiros com o Usopp, descobrimos as instalações do Sunny com o Chopper e Sanji, treinamos com o Zoro, ajudamos o Broke na casa assombrada, a Robin a descobrir os segredos escondidos, brincamos com a Nami no casino e lutamos contra o robô do Franky. Além disso neste espaço podemos conhecer toda a história de One Piece com publicações inéditas de Oda, tirar fotografias com outras personagens e em locais conhecidos do anime. Também conhecemos o restaurante do Sanji e o café do Franky, mas ainda tem mais um café com comida temática sobre os chapéus de palha. Mas não é só vimos um teatro de 20 minutos live action com uma história inédita, mas fantasticamente bem representada e participamos num labirinto, com vários momentos épicos da saga. Admito que quase me caiu uma lágrima. No final fomos para um mini cinema ver um filme especial a 4D. Esta é uma aventura muito porreira para quem é fã de One Piece, vale mesmo muito a pena e só queremos mais e mais. Para visitar tudo demoramos cerca de 3h / 4 horas, mas ainda com almoço incluído.

Regresso a casa

Depois destes 10 dias bem passados neste país fantástico, chegou a altura de regressar. A nossa boleia estava às 16 horas na porta do hotel. Chegamos ao aeroporto e aí tivemos de fazer um tempo de espera, pois o voo era só às 20horas. Aproveitamos para jantar antes e ainda ver algumas lojas, ainda compramos umas prendas de última hora. Depois esperávamos uma viagem longa do Japão até ao Dubai e Dubai até Lisboa. Chegamos ao Porto no dia 21 às 19 horas, foi só mesmo jantar e tomar banho. A viagem foi longa, mas ficamos com um sorriso na cara e a promessa de lá voltar, pois ainda ficou muito para descobrir no Japão.

Japao Todio Dia 10 (5)

Especial 20 anos: One Piece

Especial 20 anos: One Piece
Foram já vendidas 440 milhões de cópias em todo o mundo. Mas afinal qual é o segredo para a sua durabilidade e o seu sucesso extraordinário?

E  o fenómeno dos chapéus de palha

Cada vez mais nos dias que correm a cultura oriental é mais conhecida no ocidente. Assim como acontece vice-versa. Há tempos falei-vos do impacto que os Digimon e Pokémon trouxeram para a nossa sociedade, e marcaram a nossa infância. Outro fenómeno mediático da animação japonesa que está a ser um sucesso em todo o mundo é: One Piece.

Em 1994, quando Eiichiro Oda, criador de manga, publicou o primeiro volume da sua história, estava longe de imaginar o sucesso que iria alcançar. Inspirado pelas suas paixões de westerns, espadachins lendários e vikings, decidiu criar uma narrativa sobre piratas. Surgiu “One Piece”, que durante este ano celebra 20 anos de exibição na televisão. A história ainda está longe de acabar, segundo Oda espera-se mais 6 anos de publicações. Esta é a manga mais vendida do Japão, e conseguiu superar as séries de “Dragon Ball” e “Naruto”. Mas perde a batalha para o “Super-Homem” e “Batman”. Contudo prevalece o primeiro lugar para a série mais vendida assinada apenas por um autor. Foram já vendidas 440 milhões de cópias em todo o mundo. Mas afinal qual é o segredo para a sua durabilidade e o seu sucesso extraordinário?

No centro da história temos uma personagem distraída, divertida e com uma infantilidade genuína típica dos heróis shonen. Monkey D. Luffy tem o sonho de tornar-se o próximo rei dos piratas. Com um barco a remo, parte sozinho para os confins do mar leste azul, para encontrar o famoso tesouro de One Piece. Seguimos a jornada deste jovem aventureiro com um chapéu de palha, na conquista de companheiros para a sua equipa de piratas. Devido à sua personalidade fácil e confiável consegue tornar-se capitão de um grupo de desnorteados, mas cada um com a sua função e destino: Zoro é um forte espadachim; Nami é a navegadora; Usopp o melhor atirador; Sanji o cozinheiro; Chopper é médico; Robin é a arqueóloga; Franky é o carpinteiro e Broke o músico. Após quase 1000 episódios da série animada, ainda há muito para descobrir e batalhas por acontecer.

O que torna a narrativa de “One Piece” tão rica e única é a sua criatividade. Oda planeou muito bem a sua história de forma a ter uma lógica coerente. Criou um mundo dividido por quatro mares e várias ilhas. A descoberta de um novo mundo por ser desafiante, mas Oda nunca quebrou as próprias regras que criou. Outra particularidade é que não existem lugares iguais. Por cada ilha que viajam os protagonistas, cada uma tem a sua particularidade distinta. Existe uma ilha voadora, outra feita de doces, uma onde os brinquedos ganham vida e uma que mais parece um deserto, um mundo infinito de possibilidades. Tal possibilita fantásticas paisagens e muitos segredos por desvendar. A nível gráfico a animação tem evoluído e além das cores mais intensas é possível criar cenários distintos e muito criativos.

Apesar dos muitos desafios na jornada, o grupo dos chapéus de palha não abandonam o sorriso da cara.

O background das personagens é bastante aprofundado. Factor positivo, pois devido à história complexa, consegue cativar a audiência. O protagonismo não é só concentrado num elemento. Muito pelo contrário, todo o universo de One Piece é importante. Além disso mostra grandes laços de companheirismo, trabalho de equipa, justiça, esforço e dedicação para alcançar os objectivos. Na verdade ao longo dos inúmeros episódios transmitidos, os protagonistas, seguem a mesma única missão desde o início. Luffy e companhia já salvaram aldeias, resgataram prisioneiros (bons), começaram revoluções, foram capturados (várias vezes), mas apesar disso tudo, a missão é a mesma: encontrar One Piece. Cada batalha e aliança, aproxima-os mais desse destino.

As batalhas são inesquecíveis e propõem vários momentos épicos. Oda oferece criatividade e inteligência para as batalhas mais importantes.  Não há uma boa história sem um bom vilão. Em One Piece não faltam personagens maldosas. Seria de esperar que o bando dos chapéus de palha, como piratas, seriam os maus da fita, mas aqui a narrativa reverte-se também existem generais da Marinha que são maliciosos. Contudo as suas histórias são memoráveis. Cada personagem deixa a sua marca. Histórias emocionantes, que não deixa ninguém indiferente. Além do passado dos protagonistas que apresenta um grande nível emocional como a história de vida de Robin, ou quem não chorou quando Broke toca e canta a música “Bink’s Sake”? Mas além disso momentos de felicidade também nos faz deixar cair uma lágrima.  “One Piece” tem estas mudanças de  sentimentos. A cara do protagonista principal, é o selo de boas-vindas para esta saga. Luffy apresenta um sorriso bem rasgado e um humor infantil que facilmente nos rimos com as cenas onde aparece. O público deixa-se contagiar por esta boa disposição, mesmo quando retrata temas como escravidão, genocídio e ditadura. One Piece  tem esta particularidade de levantar o ânimo, explicando que nada está verdadeiramente perdido. Em One Piece a história é contínua. E ações que aconteceram no passado, podem facilmente ter influência no futuro. Oda pensou bem no destino de cada uma das personagens criadas por si.

Além da manga ainda estar em lançamento, o anime com exibição na televisão, e dos vários produtos de merchandising existentes, este anime ainda tem um museu próprio em Tóquio. Em Portugal já começa a dar o primeiros sinais de vida, além da animação dobrada para português, o novo filme lançado este ano que celebra os 20 anos da saga vai ser exibido nos cinemas portugueses. Esta é a primeira vez. A criação de teorias é dos passatempos favoritos dos fãs, neste caso One Piece é possível criar várias. A narrativa já vai longa e ainda falta desmistificar vários segredos, mas a curiosidade aumenta sobre como vai terminar. Mas enquanto isso vamos aproveitando enquanto dura esta fantástica história. Enquanto a manga bate recordes, One Piece vai ser sempre lembrada como das animações mais rentáveis da História.

Texto escrito para: Reporter Sombra

One Piece: Strong World

O grupo dos chapéus de palha devem salvar a sua navegadora e parar de vez um pirata lendário, Shiki o Leão Dourado de conquistar East Blue.

Título: Wan pisu firumu: sutorongu warudo
Ano: 2009
Realização: Munehisa Sakai
Interpretes: Felecia Angelle, Christopher Bevins, Ed Blaylock…
Sinopse: O grupo dos chapéus de palha devem salvar a sua navegadora e parar de vez um pirata lendário, Shiki o Leão Dourado de conquistar East Blue.

One Piece: Strong World é o décimo filme do franchise e o primeiro a ser escrito pelo próprio criador da manga, Eiichido Oda. Em honra do 10ª aniversário da saga (este ano já festeja 20 anos) decidiram criar mais um filme.

Os chapéus de palha estão perdidos numa ilha estranha. Uma ilha onde os animais são ferozes e a aldeia vive com medo. O grupo está separado, mas tem um objectivo: reencontrarem-se e resgatarem a navegadora Nami que foi sequestrada por Shiki, o Leão Dourado que tem como poder utilizar a gravidade em seu proveito. Luffy, Zoro, Sanji, Usopp, Chopper, Robin, Franky e Brook terão de unir forças para conseguirem salvar a companheira Nami e ainda libertar a aldeia do poderio de Shiki que até ao momento não encontrou força maior para desafiar.  O filme ocorre entre os Arcos Thriller Bark e o Sabaody Arquipélago.

Muito ao contrário do que seria de esperar o filme é interessante e apresenta uma aventura empolgante para as personagens. A excelente qualidade da realização é dos factores mais  positivos também, com este encargo esteve Munehisa Sakai muito bem. A narrativa foi bem delineada e deixa curiosidade até ao fim. Para os fãs da saga este filme merece ser visto. O blogue atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

One Piece: Episódio Especial Luffy

Neste episódio especial de “One Piece” que surge como um filme, acompanhamos os pontos-chave da vida de Luffy que o levaram aquele momento.

Título: One Piece: Episode of Luffy – Hand Island No Bouken
Ano: 2012
Interpretes: Hiroaki Hirata, Mayumi Tanaka, Kazuki Yao…
Sinopse: Uma viagem pelo passado de Luffy, enquanto descobre o mistério da Ilha da Mão.

Neste episódio especial de “One Piece” que surge como um filme, acompanhamos os pontos-chave da vida de Luffy que o levaram aquele momento. Com flashbacks do anime, lembramos como Luffy conheceu Cody, que agora é um membro da Marinha, tal pode ser visto no primeiro episódio do anime. A história de como recebeu aquela cicatriz na cara (este foi um momento inédito), da sua amizade com Shanks que sacrificou o seu braço para o salvar do mar após ter comido a fruta do diabo com o poder de borracha. Enquanto acompanhamos essas memórias da vida do protagonista, o bando do chapéu de palha terá de descobrir os mistérios que assombram a ilha da mão, predominantemente de artesãos e derrotar o principal vilão. Elemento da Marinha que tem supremacia total sobre a ilha.

Sinceramente este filme não acrescenta nada à história. Apenas tem a função de “refrescar” a memória sobre os assuntos da vida de Luffy que fizeram diferença no desenvolvimento do anime. Já que o mesmo se prolonga durante anos, é importante lembrar o que já aconteceu para melhor entendermos o futuro destas personagens. Uma obra de animação com 120 minutos para complementar o anime “One Piece“. O blogue atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Os animes que ando a ver…

A par das séries que ando a ver, para quem não leu aqui está o texto  também estou a ver anime. Normalmente consigo adiantar mais episódios na minha hora de almoço. Fica então aqui a lista do que ando a ver de momento.

Animes que ando a ver1

Sakura Card Captor: Este anime ainda é recente. Estreou há três semanas. Como sou uma fã assumida da Sakura não podia deixar escapar esta oportunidade de continuar a ver a sua história. A animação é linda e as personagens estão mais crescidas.

Boruto: Este está um pouco fora de contexto. Eu não estou a seguir Boruto. Vi alguns episódios soltos, mas nada que me surpreendesse. A história é maçadora, não acontece nada e o Boruto é um embirrento. Nada como o Naruto no seu tempo.

Inuyasha: Comecei a ver para fazer cosplay da Kagome para o Iberanime OPO no ano passado. Fiquei logo rendida a este anime. Como via os episódios no youtube e como houve um tempo que não tive internet, perdi o fio à meada e entretanto comecei a ver outras coisas, como Sabrina A Bruxinha Adolescente. Entretanto já estou a terminar esta temporada da série e já começo com o meu querido Inuysha.

One Piece: Uma relação de amor-ódio. Adiantei muitos episódios e consegui a chegar a meio do anime. Mas entretanto fiquei sem episódios e agora vou ter de começar a ver online. Algo que me custa mais. Estou empenhada a terminar este anime. No meu tempo de almoço vou aproveitar para adiantar os episódios.

Animes que ando a ver2

Fairy Tail: Este é um daqueles animes que seguia de semana em semana religiosamente. Contudo com a proximidade da manga, o anime ficou em hiatus. Já voltou e vai terminar este ano. Nunca mais recuperei “Fairy Tail“. Mas quando terminar os que me falta vou dar mais uma oportunidade.

Dragon Ball Super: Tal como “Fairy Tail” e devido às pausas semanais que fui perdendo o rasto deste anime. Tenho mesmo que me actualizar porque esta história é épica e este ano vai ser o ano de Dragon Ball.

The Heroic Legend of Arslan: Só vi um episódio porque estava à procura de um anime para começar a ver. Como era da mesma escritora de Full Metall, why not? A história parecia interessante, mas tive de abandonar o projeto porque Inuyasha chegou à frente.

Baccano: Outro anime que só vi um episódio. A história era confusa, mas foi isso que me intrigou. Não sei o motivo de não continuar, mas quero fazer isso.

Animes que ando a ver3

Nanatsu no Taizai: Não é dos meus animes favoritos. A narrativa ainda tem muito para dar. A primeira temporada terminei muito bem, mas soube que a segunda já está a ser transmitida. Mais uma para começar a ver.

Digimon Tri: Adoro Digimon. Assim que soube que este grupo ia voltar fiquei feliz da vida. Por isso tenho seguido estes mega episódios. Os últimos tem saído fracos, uma narrativa confusa e com muito para explicar. Espero que próximo seja muito melhor.

One Punch-Man: Adorei ver este anime. Muito engraçado e com personagens carismáticas.  Vai voltar ainda este ano a segunda temporada. Este não vou perder.

Attack on Titan: Terminei recentemente a segunda temporada de Attack on Titan que gostei mais do que a primeira. A história está a tornar-se mais madura e complexa o que é positivo. A continuação deve estar para breve.

Photoshoot Nico Robin

Demorei a editar algumas fotos desde photoshoot. Daí o meu atraso nesta publicação. Em julho deste ano estive presente no evento ISMAI Legends com o meu cosplay de Nico Robin (versão Alabasta) de One Piece. Aproveitei o espaço para um pequeno photoshoot e este é o resultado. Se quiseres saber mais sobre este dia, deixo aqui o vlog.

Clica nas fotos para melhor qualidade.

 

ISMAI Legends: Quem vai?

Este ano vou participar pela segunda vez no ISMAI Legends. No primeiro ano que fui, ainda não existia a área de cosplay.

cosplay-beautifulDreams

Este ano vou participar pela segunda vez no ISMAI Legends. No primeiro ano que fui, ainda não existia a área de cosplay. Agora cresceram e a minha vontade de participar também. Estarei presente no dia 9 de julho (domingo) com o cosplay de Nico Robin de One Piece, versão Alabasta (Miss All Sunday). Este não é um cosplay novo. Utilizei-o em 2015 para o Iberanime no concurso. Vou voltar a utiliza-lo porque já sinto saudades e também porque merece umas fotos em condições.

ISMAI Legends foca-se em várias áreas. Gaming, torneios, Youtube, streaming, workshops de computação, informática e cosplay é tudo o que podes encontrar no programa.

Espero encontrar-vos lá. A entrada é gratuita, mas podem ler todas as informações sobre o evento aqui.

O lanche das 3 horas

As origens dos nome Sanji de One Piece

Sabias que…

A personagem Sanji da série japonesa One Piece, na realidade ia ter o nome de Naruto? Porque naruto em japonês é o nome de uma comida feita à base de peixe, sendo esta personagem um cozinheiro, o nome parecia adequado. No entanto não o recebeu devido ao lançamento na mesma altura da manga Naruto, outra série de sucesso, do qual o protagonista tinha o mesmo nome. No entanto mudou-se para Sanji, que significa 3, relacionando-se com o lanche das das 3 horas.