As 10 adaptações que estamos ansiosos de ver em 2018

Em 2018 já temos uma lista de alguns filmes que queremos ver. Trilogias que vão terminar e outras a começar. Filmes de animação, e live-action, mas todas baseadas em obras literárias. Estas são as adaptações que mais ansiedade criam até chegarem às salas de cinema.

Maze Runner: The Death Cure (26 de Janeiro)

A conclusão da saga “Maze Runner” está a chegar às salas de cinema. A produção atrasou devido a um imprevisto, o ator Dylan O’Brien magoou-se nas gravações e mereceu tempo para recuperar. Mas a espera está a terminar. Depois de uma ano, voltou às gravações do filme, sobre um grupo de adolescentes que luta contra uma organização chamada de  WICKED, num mundo pós-apocalíptico.

Peter Rabbit (9 de fevereiro)

O coelhinho mais famoso das histórias para crianças vai ter um filme só seu depois da animação na televisão. Baseado nos contos de Beatrix Potter, com a participação de James Corden como Peter Rabbit, um coelho que ambiciona entrar na horta do Mr. McGregor. Com Daisy Ridley e Margot Robbie nas vozes desta animação live–action.

Every Day (23 de fevereiro)

A narrativa de David Levithan conta a história de Rhiannon (Angourie Rice) uma adolescente que se apaixona por um espírito que habita todos os dias numa pessoa diferente. Debby Ryan e Colin Ford são as estrelas principais deste filme de romance e drama.

Red Sparrow (2 março)

Jennifer Lawrence volta a ser a protagonista de mais um filme de ação. “Red Sparrow” foi realizado por  Francis Lawrence. Este é o primeiro filme da trilogia de livros com o mesmo nome do autor Jason Matthews. A narrativa explora a espionagem e a arte de sedução.

A Wrinkle in Time (9 de março)

Com um punho da Disney, “A Wrinkle in Time” é o primeiro, baseado nos livros da série “Time Quintet” de Madeleine L’Engle. Conhecemos a história de Meg Murry (Storm Reid) enquanto luta para encontrar o seu pai, com a ajuda do seu irmão génio e três misteriosas mulheres. 

Ready Player One (30 de março)

Steven Spielberg é o realizador de “Ready Player One” baseado nos livros de fição cientifica de Ernest Cline. A temática dos anos 80 e cultura pop volta a estar presente. Esqueçam “Stranger Things“. Na representação temos Tye Sheridan Olivia Cooke

First Man (12 de outubro)

Ryan Gosling é a estrela do filme biográfico “First Man” que aborda a vida de Neil Armstrong, o primeiro homem na lua. Baseado no livro real de James R. Hansen’s. O realizador de La La Land, Damien Chazelle aceitou este desafio.

ryan-gosling-5

The girl in spider’s web (19 de outubro)

Não conseguimos ter um filme do segundo e terceiro livro da saga “Millennium“, mas vamos conseguir o quarto. Enquanto Stieg Larsson escreveu escreveu a trilogia  original de Girl with the Dragon Tattoo, faleceu em 2004David Lagercrantz continuou a obra seguindo a protagonista Lisbeth Salander. Neste filme Lisbeth (Claire Foy) terá de lidar com espiões, cybercrime e corrupção governamental.

claire-foy-in-erdem

The Jungle Book (19 de outubro)

Enquanto recentemente conseguimos um live-action sobre “O livro da selva” pela Disney. Neste novo filme de Andy Serkis baseado na obra clássica de Rudyard Kipling, o caminho será diferente. Andy referiu “este filme será para um público mais maduro. É PG-13, mais parecido com O Planeta dos Macacos, com takes mais negros”. No elenco principal temos Christian Bale, Cate Blanchett e Benedict Cumberbatch.

andy-serkis

Mary Poppins Returns (25 dezembro)

O livro de P.L. Travers volta a ter destaque novamente no grande ecrã com a interpretação de Emily Blunt no principal papel. O filme centra-se nos já adultos  Jane e Michael Banks, crianças do primeiro filme do clássico da Disney de 1946. E os três filhos de Michael quando são visitados por Mary Poppins que os ajuda a trazer alegria às suas vidas. 

mary poppins returns

Crítica: Maze Runner – Provas de Fogo

Depois de escaparem do labirinto, o grupo enfrenta um novo desafio. Presos num mundo que não conhecem e perdidos num imenso deserto, terão de estar preparados para inimigos fora do comum

TítuloMaze Runner: The Scorch Trials
Ano: 2015
Realização: Wes Ball
InterpretesDylan O’Brien, Kaya Scodelario, Thomas Brodie-Sangster….
Sinopse: Depois de escaparem do labirinto, o grupo enfrenta um novo desafio. Presos num mundo que não conhecem e perdidos num imenso deserto, terão de estar preparados para inimigos fora do comum.

O cinema juvenil-adulto volta a marca presença. A saga Maze Runner ainda não chegou ao fim, mas por aquilo que vi, considero este segundo filme bem melhor do que o primeiro. O anterior filme focava-se principal num espaço, acompanhamos um grupo de jovens, presos num labirinto desconhecido. Sem nenhuma informação de onde estavam e sem memória. Thomas (Dylan O’Brien) foi o único elemento com coragem para tentar descobrir a verdade do local. Conseguiu sair de lá e assim termina o primeiro filme. Em “Provas de Fogo” o grupo terá de enfrentar ameaças maiores. Fugitivos de experiências estão perdidos em cidades destruídas, num deserto interminável ainda ainda com um novo inimigo à espreita, sim neste filme existe zombies. Ainda sem memória e na procura de perceberem o que se está a passar vivem como refugiados à procura de um local seguro para repousar e é aí que encontram aliados. 

Neste filme a ação é mais duradoura e existem mesmo momentos de cortar a respiração. A utilização de efeitos especiais ajuda a melhorar o momento. A tensão aumenta e a curiosidade também já que a verdade por detrás de tudo ainda não foi revelado (acho que estão a esperar pelo último filme). Apesar de ainda não ter sentido nenhuma empatia com as personagens, considero que Dylan foi um ótimo líder. “Maze Runner: Provas de Fogo” é esmiuçado até ao último momento, o filme foi demasiado longo para a informação que pretendia transmitir. Apesar do argumento forçado o filme entretém. Considerei-o substancialmente melhor do que o seu antecessor. O terceiro já está em desenvolvimento apesar de um ligeiro atraso. O final promete revelar todas as perguntas pendentes com mais ação. O blogue atribui 3 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Crítica: Maze Runner – Correr ou Morrer

Num cenário pós-apocalítico, uma comunidade de rapazes descobre que estão presos num labirinto misterioso. Juntos, terão de descobrir como escapar, resolver o enigma e revelar o arrepiante segredo acerca de quem os colocou ali e por que razão. (Fonte: Sapo Cinema). Baseado num livro de James Dashner, este filme se ficção-cientifica parece ser a nova saga que aí bem, depois de Hunger Games e Divergente. Os filmes juvenis estão no seu auge.

Correr pela sobrevivência

Maze Runner – Correr ou Morrer é um filme de 2014, realizado por Wes Ball, com as participações de Blake Cooper, Dylan O’Brien, Kaya Scodelario, Patricia Clarkson,Thomas Sangster, Wes Ball, Will Poulter. Sinopse: Num cenário pós-apocalítico, uma comunidade de rapazes descobre que estão presos num labirinto misterioso. Juntos, terão de descobrir como escapar, resolver o enigma e revelar o arrepiante segredo acerca de quem os colocou ali e por que razão. (Fonte: Sapo Cinema). Baseado num livro de James Dashner, este filme se ficção-cientifica parece ser a nova saga que aí bem, depois de Hunger Games e Divergente. Os filmes juvenis estão no seu auge.

Devido às críticas positivas decidi ver este filme. Achei-o razoável, na verdade até estava à espera de mais. Este é outro filme juvenil que tal como Hunger Games e Divergente foi baseado num livro e adaptado para o cinema. Com um elenco juvenil este filme foge um pouco à regra, existe ação, muito mistério e nada de romance (pelo menos para já) e ainda bem na minha opinião. Estes filmes de hoje em dia são apenas guiados pelo típico triângulo amoroso. Aqui não há nada disso, apesar de apenas estar uma rapariga no meio de um grupo de rapazes. É um filme que consegue entreter, pois o espectador sente a curiosidade de descobrir a razão do labirinto e os perigosos segredos que ele esconde. O argumento vive apenas no drama dos jovens descobrirem mais sobre onde estão e como lá foram parar.

Gostei muito do ambiente de fundo, um grupo de pessoas que não se conhecessem de lado algum, estão encurralados num mundo igualmente desconhecido. Porém o diálogo entre as diversas personagens tinha muito a melhorar. Quanto ao jovem leque de atores só dois é que tinham mais experiência na área, como Dylan O´Brien (Teen Wolf) e Thomas Brodie-Sangster (Love Actually e Nanny Mcphee) que na minha opinião foram os melhores. Maze Runner evidentemente que vai ter continuação e será para breve. Este é um filme mediano que não é bom por aí além, mas até se vê. O Blog atribui 3 estrelas em 5. 

Rating: 3 out of 5.