Marisa Tomei será Tia May no novo filme Spider-Man?

marisa tomei

Agora que a Marvel e a Sony descobriram o seu Peter Parker, a escolha foi o ator Tom Hollan, a próxima personagem a fazer casting era a sua tia May. Fontes informaram à Variety que Marisa Tomei fará dessa personagem. Mas ainda não houve confirmações sobre o assunto. Os estúdios ainda estão à procura de um argumentista para se juntar a Watts. Enquanto isso podemos ver a evolução da personagem Tia May pelos anos no cinema.

Evolucao-TiaMayCom os anos tem ficado mais nova. Confesso que para mim a tia May será sempre a do primeiro filme Spider-man (2004), que também é assim representada nas bandas desenhadas. Mas também percebo que como estão a escolher cada vez um Peter Parker mais novo, a tia também assim tem de ser.

Está escolhida a Elektra

escolhida a nova elektra

Elektra

Elodie Yung foi a escolhida para ser a Elektra na série original da NetflixDaredevil“. Para o próximo ano, já vamos puder ver a atriz de G.I. Joe – Retaliação, District 13: Ultimatum neste seu novo papel. A personagem é da Marvel e é caracterizada por ser uma mulher misteriosa do passado de Matt Murdock, com habilidades perigosas e exóticas, pode ser demais para ele. Na primeira temporada Elektra foi referenciada, mas só agora é que as especulações termina, e sim vai aparecer.

“Após uma longa procura mundial, chegamos à conclusão que Elodie é a escolha certa. Consegue impressionar e ser psicologicamente fatal ao mesmo tempo” referiu Jeph Loeb, o produtor executivo da Marvel televisão.

Gárgulas

Em 1995 até a Marvel aproveitou para fazer uma banda desenhada sobre o tema. O sucesso é explicado devido à complexibilidade e dramatismo dos temas debatidos. A série começa com os temas medievais, reis e rainhas, mas também aborda os Cavaleiros do Rei Arthur e ainda Shakespeare com as suas obras: Macbeth e Sonho de uma Noite de Verão. Mais tarde questionado sobre o tema


As Gárgulas
ou em título original The Gargoyles é um desenho animado com um total de 78 episódios, com 22 minutos cada episódio. A sua estreia começou em 1994 e terminou em 1997. Lançado pela Disney esta animação teve logo aderência e foi um sucesso, que ainda hoje é recordado pelos fãs. Criada por Greg Weisman, dirigida a um público mais adulto, por isso mesmo ter um tom mais sombrio. Em 1995 até a Marvel aproveitou para fazer uma banda desenhada sobre o tema. O sucesso é explicado devido à complexibilidade e dramatismo dos temas debatidos. A série começa com os temas medievais, reis e rainhas, mas também aborda os Cavaleiros do Rei Arthur e ainda Shakespeare com as suas obras: Macbeth e Sonho de uma Noite de Verão. Mais tarde questionado sobre o tema, o criador Greg afirmou que a sua ideia era colocar na história todas as lendas e mitos antigos. Quanto à história centraliza-se num grupo mítico de gárgulas, seres esvoaçantes que só despertam à noite e durante o dia transformam-se em pedra. Acordam apenas anos e anos de estarem adormecidos numa maldição, mas num mundo totalmente diferente daquele que conheciam, acordam na atualidade e longe vai o tempo dos castelos. Mesmo assim decidem adaptar-se e tentam proteger os cidadãos americanos, no entanto as pessoas temem a sua aparência, excepto a detetive Eliza Maza, e o vilão Xanatos.

Quem pertence aos anos 90 certamente que se lembra deste desenho animado, que ainda hoje deixa marca. A ideia principal foi criar de forma dinâmica uma animação que ao mesmo tempo que entretia, também ensinava. Assim foi. Em Gargulas, aprendemos muito sobre as lendas da história mundial, desde o Monstro de Loch Ness, Avalon, histórias de índios e até samurais. Tudo compactado numa só animação, em que as personagens principais terão de descobrir o mistério sobre cada conto. Quando comecei a seguir “The Gargoyles” não contava que tivesse mesmo tantos episódios, e apesar de a história tornar-se um pouco repetitiva, já que os mesmos vilões estão sempre a aparecer, o enredo está sempre bem definido. As Gárgulas tornou-se um desenho animado desvalorizado, mas vale a pena conhecer.

Tenho por aqui fãs?

Crítica: Vingadores – A Era de Ultron

Algo corre mal com o programa de manutenção de paz iniciado por Tony Stark. Os super-heróis mais poderosos do planeta Terra, incluindo o Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Incrível Hulk, Viúva Negra e o Gavião Arqueiro são colocados à prova enquanto salvam o planeta da destruição pelo vilão Ultron.

Os heróis voltaram!

Vingadores: A Era de Ultron ou em título original Avengers: Age of Ultron é um filme de 2015, realizado por Joss Whedon, e com as participações de Aaron Taylor-Johnson, Chris Hemsworth, Elizabeth Olsen,  Hayley Atwell, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Mark Ruffalo, Samuel L. Jackson, Chris Evans, entre outros. Sinopse: Algo corre mal com o programa de manutenção de paz iniciado por Tony Stark. Os super-heróis mais poderosos do planeta Terra, incluindo o Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Incrível Hulk, Viúva Negra e o Gavião Arqueiro são colocados à prova enquanto salvam o planeta da destruição pelo vilão Ultron.

O grupo de heróis da Marvel voltou a juntar-se para mais uma aventura. Desta vez é contra o robô Ultron, inteligência artificial que tem como objectivo erradicar por completo a raça humana. Numa luta contra o tempo os Vingadores vão fazer de tudo para salvar o Planeta Terra. O filme tem tudo para ser bom: é da Marvel, tem ação (muita ação), umas piadas pelo meio, é realizado por Joss Whedon e junta heróis com poderes de outro mundo. Mas…(sim, existe um mas) perde pelas demasiadas histórias que acontecem em simultâneo, pelo facilitismo, pela falta de informação inerente às situações que as personagens vivem, e o vilão podia ter sido muito mais aproveitado. No filme apenas preocuparam-se nas cenas de ação (que verdade seja dita estão espectaculares), deixando de parte o conteúdo da história. Contudo, não é por isso que não deixa de ser um sucesso de bilheteiras. Não, muito pelo contrário, o público gosta de ver efeitos especiais, lutas inesquecíveis, personagens marcantes e vilões com carácter. E os Vingadores tem isso tudo.

 O filme ganha por si admiradores nas peripécias de luta (admito são das melhores que já vi), nos efeitos visuais, a tecnologia a 3D cada vez mais favorece o cinema e a coordenação entre as personagens. Nesta segunda película todas as personagens tem o real destaque que merecem, e o trabalho em equipa está ao rubro. Gostei Capitão América e Gavião Arqueiro, personagens que não me identificava muito. Mas achei a relação entre a Viúva Negra e o Hulk muito forçada e sem interesse para o desenvolvimento da história. O realizador Joss Whedon afirmou que o filme encontra-se demasiado saturado, que queria colocar cenas do Loki, como forma de introdução do terceiro filme do Thor, mas que não conseguiu devido à demasiada informação que este já continha. Também partilho da mesma opinião, mas no geral está um filme bastante apelativo. Para os fãs está fantástico, mas para quem ainda não é, não é desta que vai ficar. O blogue atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Ser herói está na moda

Não acreditam? Pois é verdade. A febre dos heróis veio para ficar. Só esta semana saíram três trailers dos filmes mais esperados.

Nunca foi tão bom ser nerd. Heróis da banda desenhada e não só, estão por aí e em breve chegam aos cinemas, já considerados como os filmes mais esperados. Durante a semana passada a confusão instalou-se na Internet. Comentários, partilhas, opiniões encheram o mundo virtual. A razão? O lançamento do trailer do filme Star Wars Episode VII: The Force Awakes fez fãs de todo o mundo ficar em êxtase. É já este ano em Dezembro que o filme vai sair, mas ainda pouco se sabe da história. Apenas espera-se alguns atores que fizeram parte do elenco original. É o caso de Harrison Ford que no final do vídeo deu ar da sua graça com o “We´re back Chewie“. Desta vez a realização não está nas mãos de George Lucas, mas de J.J.Abram. A ver vamos se vai conseguir manter o legado.

Outro motivo da agitação desta semana foi o teaser do Batman v Superman: Dawn of Justice da DC Comics. Este ainda não é para já, só em 2016. Filme que está guardado no “segredo dos Deuses” e que para os anos seguintes já garante um filme individual para cada personagem. Temos Ben Affleck como Batman e Henry Cavill como Super-Homem. Num cast completado ainda por Gal Gadot (Mulher Maravilha), Amy Adams (Lois Lane) e Jesse Eisenberg (Lex Luthor). Aqui as opiniões dividem-se será um sucesso, ou um flop?

Mas ainda não terminei, este ano em Julho chega Ant-Man, outro super-herói da Marvel. Liderado por Paul Rudd, este temo o poder de diminuir em tamanho, aumentando a sua força. E claro que vai ter a missão de salvar o mundo.

Acabadinho de sair hoje o trailer do rekame do filme “Quarteto Fantástico“, aproveitando a onda de super-heróis. O cast mudou, mas história mantêm-se. Um grupo de cientistas conseguem super-poderes, agora tem de se habituar ás suas novas habilidades, enquanto lutam contra o mal. Outro filme da Marvel.

E para terminar um filme que já vai estrear nas nossas salas de cinema para a semana. O segundo filme de “Os Vingadores” promete ultrapassar o anterior. Os heróis: Thor, Capitão América, Iron Man, Black Widow, Hulk e Hawkeye, voltam-se a juntar para derrotar uma ameaça maior, tudo pelo bem da Humanidade.

E ainda tens dúvidas que chegou a era dos heróis?

Crítica: O Fantástico Homem-Aranha 2

Para Peter, a vida é complicada – entre apanhar criminosos na pele do Homem-Aranha e passar algum tempo com Gwen, a pessoa que ama. Peter não esqueceu a promessa feita ao pai de Gwen de a proteger mantendo-se à distância, mas esta é uma promessa que ele não consegue cumprir. Entretanto, surge Electro, um novo vilão, Harry Osborn regressa e Peter descobre novas pistas sobre o seu passado.

O Fantástico Homem-Aranha 2: O Poder de Eletro é um filme de 2014 realizado por Marc Webb e tem como protagonistas: Andrew Garfield, Emma Stone, Jamie Foxx nos principais papéis. Sinopse: Para Peter, a vida é complicada – entre apanhar criminosos na pele do Homem-Aranha e passar algum tempo com Gwen, a pessoa que ama. Peter não esqueceu a promessa feita ao pai de Gwen de a proteger mantendo-se à distância, mas esta é uma promessa que ele não consegue cumprir. Entretanto, surge Electro, um novo vilão, Harry Osborn regressa e Peter descobre novas pistas sobre o seu passado.(Fonte: CinemaGate).

Os filmes do aranhiço já não nos são novos, já conhecemos a história do rapazinho que ao ser picado por uma aranha ganhou super-poderes e a partir daí combateu o crime de Nova Iorque. Na nossa infância todos nós vimos o desenho animado, já anteriores a esta segunda parte houve uma trilogia protagonizada pelo ator Tobey Maguire. Agora temos Andrew Garfield como Amazing Spider-man, numa versão mais rebelde, descontraído e não tão nerd Peter Parker, onde consegue a miúda, o seu amor da adolescência, Gwen Stacy, o trabalho e ainda salvar o mundo do crime. Neste filme o nosso herói tem 3 inimigos pela frente: Elektro, O Green Goblin e ainda o Rinoceronte,  e que muito tempo lhe vão ocupar. Para não falar do seu amigo Harry Osborn que acabou de chegar à cidade devido ao falecimento do seu pai, e por isso terá de se tornar herdeiro da fortuna Osborn. Como não faltava, Peter ainda terá de lidar com a verdade sobre a morte dos seus pais.

Como aspectos positivos no filme foram as cenas recheadas de efeitos especiais, que torna a película bem mais real e empolgante. Aviso já para quem tiver problemas de epilepsia que não convém assistir ao filme, os efeitos visuais de luz são constantes que até deixa os olhos a brilhar. Outra das coisas fantásticas realizadas nas cenas de ação são as paragens no tempo e os momentos em slow-motion é que percebemos como tudo funciona. Quanto aos aspectos negativos temos a falta de dramatização e como o filme acompanha demasiada história do protagonista é difícil mantermos-nos atentos a tanta informação, e por isso existem elementos que ficam um pouco para trás. O blog atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Crítica: Os Vingadores (Avengers)

assado muito tempo de o filme ser falado para ser realizado, finalmente passou directamente dos quadrinhos para o grande ecrã. O que agradou os fãs da banda desenhada e não só, os amantes de filmes de super-heróis também viram o seu desejo realizado. Tarefa que não foi fácil de concretizar, juntar vários heróis com histórias completamente diferentes num só filme, e por isso ficou o filme tanto tempo em “stand-bye”. Mas agora finalmente passou para as salas do cinema. As personagens já nos são familiares, o grupo Avengers é constituído por: Iron Man – Homem de Ferro (Robert Downey Jr), Hulk (Mark Ruffalo), Capitão América (Chris Evans), Thor

Os Vingadores ou Avengers é um filme de 2012, realizado por Joss Whedon e com as participações de grandes atores, como Robert Downey Jr., Chris Evans, Samuel L. Jackson, Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Mark Ruffalo e Jeremy Renner. Passado muito tempo de o filme ser falado para ser realizado, finalmente passou directamente dos quadrinhos para o grande ecrã. O que agradou os fãs da banda desenhada e não só, os amantes de filmes de super-heróis também viram o seu desejo realizado. Tarefa que não foi fácil de concretizar, juntar vários heróis com histórias completamente diferentes num só filme, e por isso ficou o filme tanto tempo em “stand-bye”.  Mas agora finalmente passou para as salas do cinema. As personagens já nos são familiares, o grupo Avengers é constituído por: Iron Man – Homem de Ferro (Robert Downey Jr), Hulk (Mark Ruffalo), Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e Hawk (Tom Hiddleston).

Além dos super-heróis atrás falados, os Vingadores tem a ajuda da personagem interpretada por Samuel L. ackson, o Capitão Nick Fury e o vilão Loki (Jeremy Renner) faz o filme ter mais ação. A história torna-se simples e até cliché, quando todos heróis, cada um à sua medida se juntam à S.H.I.E.L.D. com um objectivo em comum, destruir Loki, que tem como planos governar o mundo.

Mas o que se pensava que ia ser quase impossível de se realizar, Joss Whedon, tornou no aspecto melhor do filme, juntar tantos protagonistas principais numa só história, com uma narrativa que não deixa nenhum herói de lado. Já em termos visuais, Os Vingadores é tudo aquilo que podíamos esperar de um filme deste calibre, está absolutamente espectacular. Concluindo este não é só um filme de acção, mas onde a comédia também está presente. O Blog atribui 4 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Crítica – Fantástico Homem Aranha

A primeira saga foi realizada por Sam Raimi, e ao comunicaram um reboot, desta vez com um Amazing, fez dos fãs ficarem duvidosos quanto à recepção deste novo filme. Não seria muito cedo para começar tudo de novo? Novo enredo, novo vilão, novos atores. Tudo diferente. Mas correu tudo pelo melhor, o filme foi considerado um sucesso.

The Amazing Spider Man é realizado por Marc Webb, protagonizado por Andrew Garfield, Emma Stone,Rhys Ifans e Denis Leary. Este filme estreado recentemente nas salas de cinema portuguesas, teve um “anunciamento” um pouco inesperado. Pois este não é o primeiro filme do herói aracnídeo, mas sim o terceiro. A primeira saga foi realizada por Sam Raimi, e ao comunicaram um reboot, desta vez com um Amazing, fez dos fãs ficarem duvidosos quanto à recepção deste novo filme. Não seria muito cedo para começar tudo de novo? Novo enredo, novo vilão, novos atores. Tudo diferente. Mas correu tudo pelo melhor, o filme foi considerado um sucesso.

Neste Amazing Spiderman mostra-nos um Peter Parker (Andrew Garfield) um pouco diferente dos últimos filmes do Homem-Aranha. Desta vez o nosso herói é menos maduro, agindo de forma imatura, quase sem pensar nas consequências. Ainda viva num mundo de rebeldia, típica da adolescência normal. Além disso este filme aborda mais o desaparecimento e morte dos pais de Peter, envoltos em segredos e  especulações. A história de como tudo começou já nos é familiar, Peter Paker, após uma visita de estudo na Oscorp Corporation é picado acidentalmente por uma aranha geneticamente modificada, a partir daí começa a ter super poderes. Outro aspecto diferente relativamente aos outros filmes é o facto de as teias não saírem dos pulsos do herói. Aqui tudo muda, como um jovem inventor que Peter é, desenvolve um mecanismo de atirar teias pelas mãos.

Como um rapaz rebelde que é, e na adolescência tem um fraquinho por Gwen Satcy (Emma Stone), uma rapariga popular da escola, que tal como ele adora ciências. Tudo parece correr bem na vida de Peter, tem novos poderes, tem um encontro marcado com a bela jovem, até a um incidente que tira a vida ao seu tio Ben. Peter Parker vivia com os tios, Ben e May desde a morte dos seus pais, ainda criança. Após a fase de vingança pela morte do tio, a situação complica-se, quando o Professor/Cientista Dr. Curt Connors injecta-se com um soro milagroso, que poderá estar na solução para a reconstituição do seu braço esquerdo. O que infelizmente transforma-o num lagarto gigante, aterrorizando toda a cidade. Onde apenas o nosso herói aracnídeo poderá salvar a população em risco.

As imagens das filmagens de Webb são fabulosas, onde o telespectador é levado diretamente para os cenários de fantasis do filme. Onde “quase” que pudemos voar nas teias do Homem-Aranha pelos prédios da cidade. Aliado a um tecnologia 3D e digital torna os efeitos bem idealizados. Em conclusão o filme é bastante bom, trazendo um bom serão de cinema. Esperemos agora pela inevitável continuação, com o segundo filme da saga. O Blog atribui ao filme 4 em 5 estrelas.

Rating: 3 out of 5.