Vídeo Musical – Os Homens Preferem as Loiras

Excerto do filme de 1953 “Gentlemen Prefer Blondes” com Marily Monroe e Jane Russell nos principais papéis. Uma comédia romântica na idade de ouro do cinema em Hollywood. Esta é a música “Two Little Girls from Little Rock”.

Excerto do filme de 1953 “Gentlemen Prefer Blondes” com Marily Monroe e Jane Russell nos principais papéis. Uma comédia romântica na idade de ouro do cinema em Hollywood. Esta é a música “Two Little Girls from Little Rock“.

Vídeo Musical – Smash

Excerto da série musical “Smash” (podem ler a crítica aqui). Neste momento emotivo sobre a infância da estrela Marilyn Monroe que luta para encontrar a felicidade. “Second Hand White Baby Grand” é interpretada por Megan Hilty (personagem Ivy) e escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman, para o 12º episódio da primeira temporada. Fica aqui o vídeo.

Excerto da série musical “Smash” (podem ler a crítica aqui). Neste momento emotivo sobre a infância da estrela Marilyn Monroe que luta para encontrar a felicidade. “Second Hand White Baby Grand” é interpretada por Megan Hilty (personagem Ivy) e escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman, para o 12º episódio da primeira temporada. Fica aqui o video.

Love, Marilyn

Documentário sobre a vida de Marilyn Monroe, pelas suas próprias palavras em diários encontrados após a sua morte. Além de vídeos da atriz vários atores se juntam para lhe prestar homenagem.

Um ícone do cinema e uma estrela sem igual. Marilyn Monroe não teve uma vida fácil, mas o seu nome é dos mais lembrados de sempre. Celebridades dos tempos atuais, interpretam excertos de memoirs de textos de pessoas que a conheciam e até da textos da própria Marilyn Monroe, encontrados recentemente numa cave, com cartas e diários escritos por si. Já muito conteúdo se criou sobre esta celebridade, mas acho que nada tão cru e sincero. Um documentário de 2013 sobre os pensamentos da atriz, enquanto lidava com a fama e a solidão.

Marilyn Monroe ainda é um mistério para muitos. A sua morte demasiadamente cedo, também foi um mistério. A sua vida parecia cheia de sorte e glamour, mas na verdade Marylin só queria ser amada, feito que nunca conseguiu verdadeiramente conquistar. Numa indústria de homens com poder, a atriz era só um objecto, mesmo lutando contra isso, não conseguiu manter-se sã e teve dificuldades em libertar-se do consumismo da sua imagem.

Nascida Norma Jean, esteve no sistema, de sítio em sítio até ao sonho de ser atriz (naquela altura era a fuga para a dura realidade). O seu ar fotogénico abriu-lhe muitas portas, mas Marilyn não queria ser mais uma. Apesar de ser sempre escolhida para papéis absurdos de bimba, falta de inteligência e gold digger, foi conquistando o seu lugar na fama aos poucos. Começou a ler (muito) e a pesquisar de que forma o seu corpo poderia comunicar, já que não lhe davam voz. Usou e abusou do seu corpo curvilíneo e tornou-se no ícone da perfeição. Os paradigmas de beleza começavam a ser outros e Marilyn foi a pioneira.

A fama aumentou e como tal a atenção também. As luzes dos holofotes interferiram bastante com a sua vida privada. Muito frágil, não teve sorte no amor e isso marcou-lhe com repercussões fortes na sua vida privada. Dificuldades que nunca conseguiu ultrapassar, pois lidava com os piores homens.

Com várias caras reconhecidas a participarem neste documentário, temos atores como: Glenn Close, Viola Davis, Ben Foster, Lindsay Lohan, Marisa Tomei, Adrien Brody, Uma Thurman, entre outros. Todos a interpretar textos com explicações na primeira pessoa dos acontecimentos. Este é um documentário longo, mas que de forma invasora conhecemos a intimidade da diva e mito de Marilyn Monroe.

Vídeo Musical – SMASH

Excerto da série SMASH (2015), este foi o último momento do final da primeira temporada. Com a música original de “Don’t Forget Me” interpretada pela personagem Karen no musical da vida de Marilyn Monroe. A voz da cantora Katharine McPhee é fantástica durante esta música. Este é o vídeo.

Excerto da série SMASH (2015), este foi o último momento do final da primeira temporada. Com a música original de “Don’t Forget Me” interpretada pela personagem Karen no musical da vida de Marilyn Monroe. A voz da cantora Katharine McPhee é fantástica durante esta música. Este é o vídeo.

Vídeo Musical – A minha semana com Marilyn


A atriz Michelle Williams que interpretou Marilyn Monrou no filme “A minha semana com Marilyn” ao lado de Eddie Redmayne, na cena final também canta. “That old black magic” é o tema interpretado pela atriz, fica aqui o excerto.

Crítica: A minha Semana com Marilyn

Colin Clark um empregado de Sir Laurence Olivier, explica a difícil interação entre a famosa atriz, Marilyn Monroe e Oliver, durante a produção do filme “O Príncipe e a Corista” (1957).

Título: My week with Marilyn
Ano: 2011
Realização: Simon Curtis
Interpretes: Michelle Williams, Eddie Redmayne…
Sinopse: Colin Clark um empregado de Sir Laurence Olivier, explica a difícil interação entre a famosa atriz, Marilyn Monroe e Oliver, durante a produção do filme “O Príncipe e a Corista” (1957).

Baseado em factos verídicos este filme retrata um momento turbulento na vida da mediática atriz Marilyn Monroe. Rodeada por pessoas que lhe diziam o que fazer, a mulher que todos adoravam perdia a sua personalidade. Confusa refugiava-se no álcool e nos comprimidos que apaziguavam a sua dor, mas não a sua sanidade. Durante as filmagens do seu filme “O Príncipe e a Corista”, Marilyn desistia frequentemente da representação, chegava atrasada e não se dava com ninguém. A única pessoa que a compreendeu naquele mundo furtivo foi Colin Clark, um jovem na altura, que se deixou enfeitiçar pelos encantos da loira sensual. Ajudou-a nesses momentos cruéis, de um marido ausente, da perda de um filho e de uma carreira à beira da ruptura. Este não é um filme biográfico, tem apenas como espaço de tempo uma semana, onde dúvidas, medos e paixões secretas são reveladas.

A atriz Michelle Williams desempenha fantasticamente o papel de Marilyn Monroe. Eddie Redmayne segue-lhe os passos, e apesar de ainda não ser conhecido, já se adivinhava uma carreira de sucesso. A dupla de atores é sem dúvida a alma do filme. Williams estudou a sua Marilyn interior, e não só com a aparência a reconhecemos, mas tambem nos gestos e na fala. Neste drama histórico com uma cinematografia simples e bela, facilmente contemplamos as vivências de outro tempo, em época dourada de Hollywood e pelo glamour das celebridades que facilmente se deixavam levar pela fama. Eu aconselho a assistirem a este filme. Como única falha apenas sublinho a pouca expressividade temporal e o rápido desfecho. O blogue atribui 4 estrelas em 5.

Rating: 4 out of 5.

Crítica: Quanto mais quente melhor

Quando dois músicos são testemunhas de um assassinato, decidem esconder-se dos bandidos disfarçando-se de mulher. Conseguem integrar numa banda feminina. Mas as confusões estão prestes a começar.

Título: Some Like it Hot
Ano: 1959
Realização: Billy Wilder
Interpretes: Marilyn Monroe, Tony Curtis, Jack Lemmon…
Sinopse: Quando dois músicos são testemunhas de um assassinato, decidem esconder-se dos bandidos disfarçando-se de mulher. Conseguem integrar numa banda feminina. Mas as confusões estão prestes a começar.

Quando vos dizerem que “Quanto mais quente melhor” é das melhores comédias do cinema, por favor acreditem. Este filme apresenta-se como bem-disposto, escrito sem pudores onde a vontade de rir está sempre presente. Só não percebo como Marilyn Monore recebe sempre o destaque, quando as verdadeiras estrelas deste filme são a dupla de atores Tony Curtis e Jack Lemmon. Em plena época de medianismo Marylin, ela podia não ser uma excelente atriz, nem uma ótima cantora, mas conseguia atrair público. Mas o sucesso do filme não foi devido apenas a Marilyn, toda a equipa conseguiu participações brilhantes em “Some like it hot“. Não se assustem por ser a preto e branco, estávamos nos anos de glória de Hollywood. E são estes filmes, considerados de clássicos que merecem toda a nossa atenção. Neste filme sem pudores, a sexualidade tem um destaque irónico, que provavelmente não era ainda bem visto em 1959. No entanto vemos beijos entre mulheres (supostamente), homens que se disfarçam de mulheres, e um romance demasiado insólito. Tudo isto num enredo brilhantemente construído e muito divertido.

Não sabia o que esperar deste filme, apesar de já o conhecer. Sabia que estava no raking das melhores comédias de sempre, e que era protagonizado pela diva Marilyn. Pensei, não é tarde nem é cedo, vou ver este filme. Assim foi, e à medida que a história foi passando, só tirei os olhos do ecrã no final. A querida Marilyn volta ao mesmo, conhecida pelos seus papéis de ingénua, facilmente apaixonada e que prefere homens ricos, aqui não é diferente. Até o seu nome, Sugar, é demasiadamente previsível. Com alguns momentos musicais aprendemos a gostar do filme que facilmente nos conquista. O argumento está bem escrito e o elenco dá o toque final para uma comédia surpreendente e cheia de genica. O final revolucionou mesmo tudo. Aconselho mesmo a visualização deste divertido filme, não se vão arrepender. O blogue atribui 4 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.