Vício do Momento

Review: Livro “The Hobbit”

The Hobbit” foi o primeiro livro que li inteiramente em inglês. Apesar de ainda não estar completamente à vontade com a língua, conseguia perceber o significado das frases. A minha vontade de ler este livro aconteceu devido a um episódio de “Supernatural”, quando a Charlie começa a ler o livro para a mãe em coma.

gif the hobbit supernatural dean winchester sam winchester gif set spn fandom EMOTIONAL sam and dean J.R.R. Tolkien comfort Sam and Dean Winchester spn fandom the family business the winchesters SPN family Charlie Bradbury Hobbit Hole the winchester brothers men+of+letters gif the hobbit supernatural dean winchester sam winchester gif set spn fandom EMOTIONAL sam and dean J.R.R. Tolkien comfort Sam and Dean Winchester spn fandom the family business the winchesters SPN family Charlie Bradbury Hobbit Hole the winchester brothers men+of+letters gif the hobbit supernatural dean winchester sam winchester gif set spn fandom EMOTIONAL sam and dean J.R.R. Tolkien comfort Sam and Dean Winchester spn fandom the family business the winchesters SPN family Charlie Bradbury Hobbit Hole the winchester brothers men+of+letters

Gostei logo deste início ““In a hole in the ground there lived a hobbit. Not a nasty, dirty, wet hole, filled with the ends of worms and an oozy smell, nor yet a dry, bare, sandy hole with nothing in it to sit down on or to eat: it was a hobbit-hole, and that means comfort”, com esta simples descrição, o escritor Tolkien leva-nos logo para o lugar mágico da Terra Média.

Continue reading “Review: Livro “The Hobbit””

Anúncios
Vício do Momento

Opinião: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Não sabia que conseguia voltar a sentir-me assim. Ler o livro “Harry Potter e a Criança Amaldiçoada” foi uma viagem ao passado. O sentimento de descoberta e curiosidade manteve-se durante todo o livro, o mesmo quando lia os livros na minha adolescência. Foi como se não tivessem passados anos desde o última página que lera. Como se nada estivesse esquecido. Mesmo apesar de ser o guião da peça de teatro, e de ser uma obra que se lê bastante bem e rápido, saboreei cada momento. Mesmo se fosse necessário lia várias vezes a mesma frase, para ter aquela sensação de que não perdia nada, nem uma palavra. Entre risinhos de felicidade acompanhei a história de Harry Potter 19 anos depois.

Esta obra literária centra-se principalmente em Albus Potter, filho de Harry que entra para a escola de Hogwarts. A partir daí começam as suas indecisões e complexos de ser filho de quem é. A tarefa não está fácil nem para o filho nem para o pai, que se distanciam cada vez mais por não se conseguirem compreender. Esqueçam lá o Voldermort, a batalha mais exigente para Harry Potter é mesmo a parentalidade.

20161024_203148

Entre viagens ao passado, reencontramo-nos com personagens que conhecíamos tão bem. Vão por mim, a magia ainda continua lá. Com diálogos bem articulados, e emotivos, percebemos que a escrita de J.K. Rowling mantém-se.

Existem pequenos twists e mundos alternativos na história que nos faz agarrar à leitura. Este livro é mais um acréscimo ás histórias da magia e feitiçaria de Harry Potter do que um guião principal. Ainda bem que foi escrito, pois gostei de conhecer o futuro de cada um das personagens.

.

Filmes

“A Rapariga no Comboio” já tem protagonista

Rebecca Ferguson foi a escolhida para participar no filme “A rapariga no comboio“,baseado no livro de Paula Hawkins. Rebecca atualmente faz os vislumbres no filme Missão Impossível: Rouge Nation ao lado de Tom Cruise, no entanto a atriz sueca está em conversações com a DreamWorks para esta nova adaptação. Apenas Emily Blunt tinha sido apresentada oficialmente, representando uma das três protagonistas femininas. A história segue Rachel, uma jovem que todos os dias apanha o mesmo comboio, vê as mesmas paisagens e pessoas. Devido à sua monotonia diária começa a imaginar nomes e personalidades para o que vê. Mas um dia tudo muda, quando assiste a algo misterioso.

Rebecca Ferguson

Filmes

O que ando a ler: A culpa é das estrelas

Fault_in_our_stars
Um dos filmes dramáticos do ano de 2014, podem ler a crítica aqui, “A Culpa é das Estrelas” foi adaptado do best-seller com o mesmo nome do escritor John Grenne. Como sou fã destas histórias de amor jovens com um enredo trágico, tive que ler o livro e logo de seguida ver o filme. Aproveitei um bom desconto na Feira do livro e comprei-o. Li-o depressa, apresenta-se como uma leitura simples e fácil. Com apenas o necessário, nada de descrições absolutas. Como seria de esperar. Afinal estamos a falar de um público-alvo mais jovem. Confesso que não estava à espera de me surpreender com o enredo, mas surpreendi-me. Não vou contar. Mas posso dizer que chorei (interiormente, pois dificilmente me comovo a ler, sou mais uma pessoa de imagens). Achei triste, achei emocionante, achei injusto. “You gave me a forever within the numbered days, and I’m grateful”, são frases como esta que me deixam destroçada. Com um diálogo completamente arrojado, onde a filosofia é vista como brincadeira de crianças, em que dois jovens tinham viver o melhor que podem com o que podem desfiando e ironizando a vida. Nicholas Sparks encontrou em John Green um rival de romances. Sobre o filme achei-o inferior à qualidade do livro. Na película apenas situações mais superficiais são evidentes e deixam muitas questões desconectadas da história. Por outro lado o livro mostra mais sentimento e o ponto de vista das personagens é mais definido. Essa é das grandes vantagens de ler. Mas prometo que em breve será colocada aqui a crítica da Culpa é das Estrelas, mas do filme.