Crítica: Um Quente Agosto

Um olhar sobre a vida de um grupo de mulheres bem posicionadas na vida que os caminhos divergem devido a uma crise que abala a todos e os leva a todos para Oklahoma na casa onde viveram.

Título: August: Osage County
Ano: 2013
Realização: John Wells
Interpretes:  Meryl Streep, Dermot Mulroney, Julia Roberts…
Sinopse: Um olhar sobre a vida de um grupo de mulheres bem posicionadas na vida que os caminhos divergem devido a uma crise que abala a todos e os leva a todos para Oklahoma na casa onde viveram.

Um drama familiar que junta um forte elenco e Meryl Streep como matriarca de uma família disfuncional. É necessário acontecer uma tragédia para juntá-los todos. O desaparecimento de Beverly deixa a esposa e as três filhas num alvoroço. A mais velha é interpretada por Julia Roberts, uma mulher decidida com o controlo, mas com um casamento a falhar e uma filha que não respeita as regras. Seguindo-se da do meio, que se torna na única apoiante da família, por viver mais perto, mas às custas disso não vive a própria vida e por último a mais nova, interpretada por Juliette Lewis, um espírito livre que não acerta em nada nos homens que escolhe. Além disso são todas controladas pelos impulsos psicóticos da sua mãe (Meryl Streep) que se tornou numa viciada em comprimidos. Quando descobrem que provavelmente Beverly se suicidou, colapsa totalmente a família já fragilizada.

Este filme foi baseado numa peça de teatro bastante conhecida que se concentra num dia típico de agosto onde as temperaturas altas nos tornam desconfortáveis e mais agressivos. Palavras são ditas que podem magoar, mas a é verdade é sempre conhecida no final e mesmo sendo família não importa. Podem estar ligados por sangue, mas não por coração.

Um filme dramático que junta vários grandes actores e que infelizmente não conseguiu dar o tempo necessário de antena a todos. Apenas Meryl Streep e Julia Roberts se destacaram maioritariamente como mãe e filha que se amam e odeiam simultaneamente. Conseguiu chamar a atenção devido aos vários plots twists que existe e com o final de partir o coração. “Um Quente Agosto” é uma metáfora às várias famílias que só se juntam em momentos tristes, e que depois não conseguem bem lidar com os seus sentimentos que lhe assombram por não serem unidos. O blogue atribui 3,5 estrelas em 5.

Rating: 3.5 out of 5.

Crítica: Larry Crowne

Após perder o seu emprego, um homem de meia-idade tenta reinventar-se novamente e decide começar a estudar. Uma comédia romântica com Tom Hanks e Julia Roberts nos principais papéis.

Título: Larry Crowne
Ano: 2011
Realização: Tom Hanks
Interpretes:  Tom Hanks, Julia Roberts, Sarah Mahoney…
Sinopse: Após perder o seu emprego, um homem de meia-idade tenta reinventar-se novamente e decide começar a estudar.

Mr. Nice Guy

Um homem de meia idade procura um novo recomeço na sua vida que atualmente parece estar sem rumo. Despedido do seu emprego do qual era muito bom no que fazia, a atravessar um processo de divórcio e com dificuldades económicas, decide voltar a estudar e começar na faculdade, para melhorar a sua vida e ter mais oportunidades de sucesso.

Tom Hanks está no protagonismo e percebesse que este ator é mesmo o vizinho da porta do lado, os seus papeis são sempre de mr. nice guy e ninguém melhor do que ele para o ser. Divide o ecrã com Julia Roberts e ambos interpretam um casal que está a reaprender a amar. Enquanto isso Tom Hanks é também o realizador deste filme com drama e romance.

O plot estava lançado e Tom Hanks, vencedor de dois Óscares da Academia com os filmes Filadélfia e Forrest Gump, ambos com o Óscar de Melhor Ator. Depois de conquistar na interpretação, Hanks decide aceitar o papel atrás das câmaras e tornar-se em realizador. Esta é a sua primeira longa-metragem e torna-se um filme bastante leviano, divertido e até satisfatório. Hanks também assume o protagonismo e torna-se Larry Crown, um funcionário de um supermercado que de um momento para o outro é despedido, só porque não tem estudos suficientes. Desempregado e com dívidas na casa devido ao seu recente divórcio, decide arranjar um emprego em part-time num restaurante, enquanto torna-se estudante de uma faculdade. Nesse momento a sua vida bastante, pois aumenta o grau de amizades e ainda recebe a simpatia de uma professora de oratória rancorosa com a sua vida (Julia Roberts), que detesta dar aulas. A vida de Larry Crowne rapidamente recebe um rumo positivo e uma esperança renovada que lhe faltava.

Nesta obra cinematográfica temos um argumento bastante leviano sobre romance que nos faz crer no melhor das pessoas. Um happy ending mesmo com as adversidades da vida. Os protagonistas estavam um pouco perdidos, mas encontraram um novo significado para a sua identidade. Este é um filme de sábado à tarde, mas com uma mensagem de positividade. Tom Hanks está indicado para este papel e até a sua realização está bastante natural, apesar de haver alguns momentos que necessitassem de algum impulso mais coerente. Contudo transformou-se num fantástico e leve filme. A química entre Hanks e Roberts, podia ter sido mais trabalhada, esta foi a primeira vez que trabalharam juntos. Julia Roberts é já a rainha das comédias românticas, mas neste filme houve emoções que falharam.

Concluindo “Larry Crowne” é uma tentativa de comédia-romance, mas não será daqueles filmes memoráveis. Fico sempre bem-disposta quando assisto aos filmes de Tom Hanks e este não foi excepção. O blogue atribui 3 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Crítica: Noiva em Fuga

Um jornalista é atribuído uma reportagem sobre uma mulher que tem o hábito de deixar os homens no altar.

Título: Runaway Bride
Ano: 1999
Realização: Garry Marshall
Interpretes: Julia Roberts, Richard Gere, Joan Cusack…
Sinopse:Um jornalista é atribuído uma reportagem sobre uma mulher que tem o hábito de deixar os homens no altar.

Ai (suspiro). Estes filmes puros e simples são do melhor para o coração. Já sabemos que no final o casal principal vai ficar junto, só não sabemos como. Julia Roberts e Richard Gere eram dos casais favoritos de Hollywood, depois de “Pretty Woman” (shame on me que ainda não vi) eram sempre os escolhidos para par romântico. A química entre os atores era genuína e apesar de nunca passar para a vida real o romance, quase que parecia no ecrã. Um dos filmes que também marcou a década de 90 foi “Noiva em Fuga“. Este filme quase podia ter sido inspirado na própria vida da atriz Julia Roberts que três dias antes do seu casamento do o ator Kiefer Sutherland cancelou tudo.

Esta comédia romântica não apresenta nada de novo. Homem conhece mulher, que nada tem haver um com o outro, mas inevitavelmente começam a apaixonarem-se. Só que ela tem um problema, não consegue levar um relacionamento a sério e abandona os noivos no altar. Mas será que este casal está destinado a ficar junto? “Noiva em Fuga” é um filme de domingo que é só mesmo para estar no sofá e nos deixar levar pela história. O argumento simples mas bem escrito é o ingrediente desta obra que nos faz acreditar que o amor está no local onde menos esperamos. Concluindo este é um filme esperançoso, previsível mas que consome bem o nosso tempo, ao vermos Julia Roberts e Richard Gere a partilhar o ecrã. O blogue atribui 3 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Crítica: Um dia de Mãe

Três gerações de mulheres juntam-se na semana anterior ao Dia da Mãe.

Título: Mother’s Day
Ano: 2016
Realização: Garry Marshall
Interpretes: Jennifer Aniston, Kate Hudson, Julia Roberts…
Sinopse: Três gerações de mulheres juntam-se na semana anterior ao Dia da Mãe.

Uma comédia leviana que retrata os “Dia da Mãe” com várias situações diferentes. A mãe divorciada, a mãe biológica que foi obrigada a entregar o seu bebé para a adopção, a mãe preocupada, a mãe despreocupada, a mãe frenética e a jovem mãe. Situações que vamos conhecer durante o desenvolvimento do filme. A narrativa é fraca e sem intriga o que dificulta a aceitação desta película. Contudo, o ponto mais alto é sem dúvida o forte elenco, composto maioritariamente por papéis femininos. Jennifer Aniston, Julia Roberts, Kate Hudson e Britt Roberston são as personagens principais deste drama. No elenco masculino apenas destaca-se Timothy Olyphant e Jason Sudeikis.

Mother’s Day” apresenta algumas simples peripécias, mas nada de muito memorável. Tal como o argumento que não apresenta nada de novo. As personagens não são carismáticas e o espectador perde rapidamente o interesse no filme. Este é um serão simples para um fim de tarde de domingo, onde a história não cola o interesse e pudemos estar confortavelmente descansados com outros interesses. Concluindo nem o forte elenco conseguiu salvar este filme, que junta várias histórias. Apenas o filme “Amor Acontece” sabe fazer isso como deve ser. O blogue atribui 2,5 estrelas em 5.

Rating: 3 out of 5.

Woman Power no Cinema

Hoje é dia da mulher e como tal decidi preparar um lista onde mulheres com personalidade forte que conseguiram lutar pelos seus direitos e não se deixam intimidar por nada. Este é o Woman Power do cinema. Não te esqueças de seguir o blogue nas redes sociais 🙂

Joy

Joy

Baseada numa história verídica de Joy Mangano, a inventora da esfregona desmontável. Jennifer Lawrence atua com garra e a determinação da sua personagem real. Num mundo atual ainda com muitos estereótipos foi difícil o caminho para a aceitação do produto. Porém o cepticismo de muitos foi a força de outros para provar que as mulheres também tem a mesma capacidade dos homens, mesmo na área do fabrico.

Erin Brockovich

Erin Broderick

Julia Roberts é Erin Brockovich no filme de 2000 e até valeu à atriz um Óscar de Melhor Atriz Principal. Também baseada numa história verídica, Erin é uma mãe solteira de 3 filhos que se envolve num caso de saúde pública. As águas subterrâneas em Hinkley eram compostas por um químico cancerígeno, cromo hexavalente. Erin consegue levar o caso para tribunal. Mas o que a torna única é que não baixou os braços, mesmo quando tudo parecia impossível.

The Young Victoria

young-victoria-the-young-victoria-11921710-1200-975

Emily Blunt é a Rainha Victoria, num filme biográfico sobre o seu reinado. Em 1837, com apenas 17 anos Victoria está no centro da luta pelo poder real. Ninguém aconselhava apontava Victoria como possível rainha, sendo descriminada pela corte, incluindo pela sua própria mãe. No entanto Victoria foi a rainha que mais anos governou a Inglaterra, cerca de 64. Conseguiu estar no poder sozinha, mesmo após a morte prematura do seu marido Filipe, conseguindo o nome de época vitoriana. Uma menção honrosa aqui também podia estar apresentado o filme “Elizabeth” (1998) ou “Elizabeth: The Golden Age” (2007)

Ágora

Ágora

Ágora é um filme espanhol que tem Rachel Weisz como protagonista. Weisz é Hipátia, uma mulher que viveu em Alexandria entre os anos de 355 e 415, época da denominação romana. Hipátia era professora e filosófica, e a única personagem feminina do filme.

Carol

carol-image-rooney-mara-cate-blanchett

Em Carol o protagonismo é dividido entre Cate Blanchett e Rooney Mara. Duas mulheres dos anos 50, que se apaixonam. Naquela época o romance entre duas pessoas do mesmo sexo era mesmo inadmissível de se pensar. Mas “Carol” não se foca apenas no romance, mas sim, na dificuldade de ser mulher naquela época em que tinham de se sujeitar às leis conservadoras daquele tempo.

The Dressmaker

CP_thedressmaker_1

No filme “Dressmaker”, Kate Winslet é uma mulher de armas, artilhada com a sua máquina de costura. Para trás deixou um passado que prometeu esquecer, mas apenas tem uma intenção, terminar a sua vingança a todos aqueles que lhe fizeram mal. Não tem tamanho nem medida para o que tem de fazer.

Room

'Room' is a journey out of darkness, director says

Em “Room“, Brie Larson interpreta uma forte mulher que ainda em adolescente foi capturada e feita prisioneira em cativeiro durante anos. A sua ambição em sair daquele lugar onde estava presa foi determinante para a sua fuga e do seu filho. Mas mal ela sabia que o mundo real estava diferente daquilo que se tinha lembrado.

 

As Serviçais

The-Help-main-characters

Nos anos 60 nos Estados Unidos da América ainda havia muita desigualdade feminina. No entanto um grupo de mulheres cruzam-se independentemente do seu estatuto social para apresentarem o seu modo de vida. Com um elenco composto principalmente por personagens femininas esta é a história de “As Serviçais“.

Wild

wild1

Em “Wild“, Reese Witherspoon é Cheryl Strayed que após a morte da sua mãe, fica totalmente desamparada. Baseado em factos verídicos, esta é uma viagem de auto-descoberta durante uma caminhada de 1100 milhas pela costa do Oceano Pacífico. Um caminho nada fácil, mas juntamente com a natureza, faz-nos pensar na vida e o que ela tem de melhor.

Legalmente Loura

legally4

Novamente com Reese Witherspoon. Desta vez é Elle Woods uma jovem fútil que lhe foi negada a entrada na universidade. Mas com muito esforço e de uma forma divertida, Elle vai fazer mudar a opinião de muitos. Dividido em dois filmes, “Legalmente Loira” prova a competência feminina e que nada o que parece é.

Elementos Secretos

hidden-figures-3

No filme “Elementos Secretos“, recentemente nomeado para os Óscares seguimos a história de três mulheres que comandaram os centros de inteligência da NASA nos Estados Unidos da América quando o homem foi pela primeira vez à lua. Além de serem mulheres outro entrave que tinham para o sucesso da sua carreira, era a sua cor de pele. Conseguiram chegar a altos cargos, e mudar opiniões, porque tinham voz e usaram essa voz.

As sufragistas

sufragistas

As Sufragistas”  explica a história real e ficcional da luta das mulheres pelo direito ao voto na Inglaterra. Foi um longo caminho até à vitória, eram presas, faziam guerra de fome, protestavam e ainda eram humilhadas. Temos que agradecer a estas mulheres que tornaram a emancipação feminina possível.

 

 

Atores que apareceram em FRIENDS e não te lembras

Muitos já viram e reviram a série F.R.I.E.N.D.S. de trás para a frente (eu sei, eu sou uma dessas pessoas). Não há como nos cansarmos das peripécias do grupo de amigos composto por Monica, Ross, Rachel, Joey, Phoebe e Chandler. Mas após assistirem aos episódios todos repararam que estes atores apareceram na série? Aqui está a lista. Clica na imagem.

Muitos já viram e reviram a série F.R.I.E.N.D.S. de trás para a frente (eu sei, eu sou uma dessas pessoas). Não há como nos cansarmos das peripécias do grupo de amigos composto por Monica, Ross, Rachel, Joey, Phoebe e Chandler. Mas após assistirem aos episódios todos repararam que estes atores apareceram na série? Aqui está a lista. Clica na imagem.