Curtas Vila do Conde

O Curtas – Festival Internacional de Cinema em formato de curta-metragens invade novamente a cidade Vila do Conde durante os dias 14 a 22 de julho para a sua 26ª edição. A par dos outros anos espera-se muita animação e diversidade na qualidade dos filmes exibidos. No total o festival apresenta 90 sessões e mais de 200 filmes, provenientes de 40 países diferentes.

Como cabeça de cartaz da programação do Curtas temos a Competição Nacional. Reunindo o melhor do cinema português durante 2017 e 2018, com filmes assinados por jovens já conhecidos ou ainda promessas futuras. A seleção oficial conta com 17 filmes no total: “3 Anos Depois”, de Marco Amaral; “À Tona”, de Filipe Abranches; “Agouro”, de David Doutel e Vasco Sá; “Água Forte”, de Mónica Baptista; “Anteu”, de João Vladimiro; “Aquaparque”, de Ana Moreira; “Declive”, de Eduardo Brito; “Entre Sombras”, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos; “Equinócio”, de Ivo M. Ferreira; “Madness”, de João Viana; “Nevoeiro”, de Daniel Veloso; “Onde o Verão Vai (Episódios da Juventude)”, de David Pinheiro Vicente; “Pas de Confettis”, de Bruno Ferreira; “Pixel Frio”, de Rodrigo Areias; “Placenta”, de Paulo Lima; “Sara F.”, de Miguel Fonseca e “Sheila”, de Gonçalo Loureiro.

Na competição internacional mantém-se uma relação entre o formal, a temática e o género cinematográfico. Trinta e uma curtas-metragens, entre as quais constam as últimas obras de cineastas premiados tanto no próprio festival, como internacionalmente, como Ben Rivers e Ben Russell, Bertrand Mandico, Helena Girón e Samuel M. Delgado e João Paulo Miranda Maria. A Competição de Vídeos Musicais, integrada na secção Stereo e dedicada a celebrar a relação entre música e cinema, apresenta uma sessão com o melhor do género a nível nacional. Por fim, a Competição Take One!, este ano alargada a mais seis países europeus, além de Portugal, dedica-se à descoberta daquilo que melhor se faz nas escolas de cinema.

O Curtas de Vila do Conde investe também numa programação dedicada aos mais novos, para desde pequenino criar o gosto pelo cinema. O Curtinhas apresenta também uma secção competitiva, dividida em três faixas etárias (M/3, M/6 e M/10), além de vários workshops e outras atividades didáticas dedicadas aos mais  novos. O filme “The Incredibles 2: Os Super-Heróis” abre a secção logo no primeiro dia do festival, a 14 de julho, numa sessão para toda a família.

Mothers-Day-The-Incredibles-Helen-Parr-1

Paralelamente ao festival, outras sugestões são apresentadas pela cidade de Vila do Conde. Exposições, workshops, animações, festa, música e muito convívio é tudo e mais do que se pode esperar deste festival que conta com a sua 26ª edição. Não perca esta oportunidade de conhecer o melhor cinema de curtas durante os dias 14 a 22 de julho em Vila do Conde.

Animar: 10 anos de animação em Vila do Conde

Este domingo dia 22 de fevereiro, foi diferente.Através da Sapo Cinema, consegui bilhetes para assistir à sessão de abertura da 10 edição do projeto ANIMAR, que se realizou no Teatro Municipal de Vila do Conde. Mas para quem não foi, ainda tem oportunidade, está 10ª edição vai durar até dia 1 de Junho. A temática deste ano será “A Estação Animar” em que no Solar-Galeria de Arte Cinemática, de entrada gratuita, está a decorrer uma exposição coletiva sobre o filme “Fuligem” de David Doutel e Vasco Sá (2014). Este será uma iniciativa para promover melhor o cinema que se faz em Portugal. Além da exposição que aconselho, onde poderão visitar um comboio, em que os “picas” não entram, e assistir a curtas-metragens sobre o tema. Ainda no mesmo espaço poderão conhecer os primórdios do comboio. No cinema vilacondense podemos assistir ao filme brasileiro, realizado por Alê Abreu, “O Menino e o Mundo“, que conta a história sobre um menino e a sua descoberta num mundo completamente diferente daquele que conhecia, onde as máquinas é que governam. Aconselho vivamente a assistirem a esta longa-metragem de 80 minutos que já ganhou muitos prémios estrangeiros e nacionais.

Num filme em que a animação é desenhos de crianças, compreendemos que é muito mais do que isso, este é também um filme para adultos. Devemos consciencializar se é isto que pretendemos para nós e para os nossos descendentes. O Menino e o Mundo, explora o passado, presente e futuro, e não apenas nos Brasil, aplica-se a todos os países. Cheio de crítica social, económica e ambiental, descobrimos numa viagem fora do normal sobre o destino do menino. O filme não é falado apenas temos a companhia dos sons ambientes (fantásticos a propósito) e ainda das cores vivas a electrizantes. Aqui fica o trailer do filme.