Séries

Pequenas Mentirosas

“Pequenas Mentirosas” ou em título original “Pretty Little Liars” foi durante sete temporadas um carrossel de emoções. Baseado nos livros de Marlene King, esta série de televisão baseia-se num grupo de amigas e no desaparecimento de uma delas. Spencer (Troian Bellisaro), Aria (Lucy Hale), Hannah (Ashley Benson) e Emily (Shay Mitchell), procuram pela amiga Alison (Sasha Pieterse) . A partir daí começam a ser ameaçadas por um anónimo que se auto intitula de “A”, alegando expor os segredos das jovens. Claro que arrastaram o mais possível sobre a identidade do dito cujo. Apenas na sexta temporada foi revelado o culpado. Depois, de quase todas as personagens terem passado por ser o “A”, devido aos segredos que gravemente escondiam. Depois na última temporada houve mais história e mais um culpado que por incrível que pareça ainda conseguiu ser surpreendente.

pll

“Pretty Little Liars” é uma série diferente. Porquê? Bem porque junta nas condições certas, drama, muito mistério e ainda comédia, principalmente os momentos com a personagem Hannah. O enredo repleto de teorias de conspiração cola mesmo ao ecrã, o único problema é que a série enrolou bastante e já cansava. O seu rápido sucessos foi a causa principal da demora a terminar. O elenco composto por jovens atrizes, cresceram profissionalmente com estes papeis que lhe valeram a fama. Quanto a mim, comecei a ver esta série desde o início e senti-me atraída à história de segredos e manipulação. Contudo os produtores conseguiram sempre manter a impressibilidade dos acontecimentos, sendo que o espectador nunca suspeitava sobre quem seriam os verdadeiros vilões, sempre desconfiando de todas as personagens. Quanto ao final foi feliz para as pequenas mentirosas, no entanto continuou aberto para uma outra possível história. Além disso “Pretty Little Liars” conseguiu uma série spin-off, sobre o tema sobrenatural. “Ravenwood“, apenas durou uma temporada.


Séries

Guerra dos Tronos: Dragonstone

A estreia da sétima temporada de “Guerra dos Tronos” é dos eventos mais esperados do ano na televisão. O canal HBO não poupa a meios e a fundos para tornar esta série cada vez melhor, pode mesmo afirmar-se que já se encontra a qualidade de cinema. Depois dos fortes acontecimentos do final da sexta temporada: a destruição completa do High Sparrow e do seu grupo de seguidores pela Cercei, o suicídio do Rei Tommen,  Jon Snow torna-se no Rei do Norte, Daenerys finalmente cruza os mares, o assassino de Walder Frey por Arya Stark e a proclamação de Cercei como Rainha dos 7 reinos. Nesta sétima temporada o jogo está aberto. O primeiro episódio da temporada, intitulado de “Dragonstone“, avançou lentamente para o espectador perceber o ponto de situação das personagens e quais os seus próximos passos.

Depois de um começo sangrento, aquela Arya tem sido mesmo uma revelação, percebemos o ponto de situação das personagens. Jon Snow comanda Winterfell, e preocupa-se com a ameaça iminente do exercito dos White Walkers. Sansa Stark revela que aprendeu muito com Cercei (estão demasiadamente parecidas), mas não concorda com o meio-irmão sobre o destino das Famílias que traíram os Stark, e faz questão que toda a gente saiba (má Sansa). Contudo está de olhos abertos no Mindinho, ainda bem, estava com receio que se deixa-se manipular por ele. Lyanna Mormont tem espírito de liderança será um apoio crucial na guerra que está para vir. Já que ainda estamos em Winterfell, Tormund ainda não desistiu de conquistar o amor de Brienne.

Guerra dos Tronos_Dragonstone1

Caminhando para o Porto Real, Cercei está bem ciente da guerra que está a chegar. Ao lado de Jamie, procura a solução para conseguirem aliados o mais rapidamente possível. Um “amigo disfarçado” chega com fortes navios que dará a Cercei a vantagem naval que precisa. Euron Greyjoy é desprezível mas pretende a todo o custo conquistar a Rainha dos 7 reinos. Será que temos casamento à vista? Enquanto isso, Sam pensava que ao estar na cidadela do conhecimento lhe ia trazer vantagens. Mas aos poucos, descobriu que  existem áreas difíceis de penetrar. No entanto descobriu um segredo que irá ajudar Jon Snow no seu propósito, e juntá-lo com Daenerey Targaryen. Isto não posso negar, quero muito que estes dois se encontrem. Chegando a Dragonstone, e após examinar o local, Daenerys comenta com Tyrion na sala de estratégia militar “Shall we begin?“. Significa que agora vai começar o derradeiro culminar da ação.

Quem assistiu ontem ao episódio? O que mais e menos gostaram?

Séries

Fargo: Terceira temporada

A série mais sangrenta e intrépida da televisão chegou à terceira temporada. “Fargo” aborda novamente crimes violentos, que estão envoltos em grande mistério numa pequena cidade. Com novas personagens e uma história alternativa, voltamos a conhecer um argumento insubstituível, cheio de ironia e sarcasmo que a torna numa série única.

Bem-vindos a uma pequena cidade em Midwestern, estamos no inverno, e o frio instala-se cada vez mais. O cheiro a morte surge quando o padrasto de Gloria Burgle, uma chefe do departamento de polícia é encontrado sem vida na sua própria casa. O clima de conspiração leva o telespectador a conhecer dois irmãos gémeos que vivem em disputa. Emmit e Ray Stussy, ambos interpretados por Ewan McGregor, não se dão devido a assuntos sobre a herança. Enquanto isso, V.M. Varga (David Thewlis) tenta ficar com o melhor proveito da situação. A ironia do destino vai juntar estas personagens, mas pelos piores motivos, afinal isto é Fargo.

Fargo3-2

Comparando com as temporadas anteriores, esta terceira não segue um fluxo histórico previsto. Estes são outros factos sobre um homicídio por explicar. Um novo trama cheio de intriga e personagens carismáticas que voltam a criar um conjunto de situações imprevistas. O que também salva a pele a esta série além do seu argumento bem elaborado são as várias interpretações dos atores. Ewan McGregor interpreta dois irmãos, bastante diferente de aparência e personalidade. Outro destaque vai para  David Thewlis um vilão bastante filosófico e o elenco feminino Carrie Coon como a determinada Gloria e Mary Elizabeth Winstead como Nikki uma personagem revelação.

A terceira temporada de “Fargo” ainda se consegue manter refrescante e energética, relativamente à primeira temporada. Talvez a variação de cenários torna esta série sempre numa caixinha de surpresas. Tudo é possível em “Fargo” e eu fico à espera do próximo tiro dos produtores.

Séries

Stranger Things

Stranger Things” não é uma série vulgar. Nesta série original da Netflix temos tudo do melhor dos grandes feitos cinematográficos dos anos 80. Filmes como E.T. O Extraterrestre, Star Wars, Jaws, Regresso ao Futuro e até Carrie, excelentemente retratado em 9 episódios da primeira temporada.

No epicentro da história, temos o desaparecimento de Will, um menino que desaparece numa noite ao chegar a casa. A busca incansável dos seus amigos para encontra-lo. O aparecimento de uma estranha menina com super-poderes. A aflição de uma mãe que faz de tudo para encontrar o seu filho, mesmo que a considerem louca. Um polícia deprimido que procura luz na sua vida. Dois adolescentes que procuram a verdade e uma conspiração governamental com experiências de outro mundo. Todas estas personagens juntam-se com um caminho em comum.

 Stranger-Things

A verdade é que “Stranger Things” é uma caixinha de surpresas. Excelentes interpretações, mesmo a do elenco juvenil acompanhado por um argumento bem escrito, faz desta série um sucesso. Uma surpresa agradável que já conseguiu conquistar muitos fãs e muitos prémios. É inesperada, imprevisível e muito intensa. Define-se como sobrenatural, drama e fição cientifica, onde se junta à comédia de um modo suave. A convergência destes géneros torna esta série única e facilmente adaptada para várias faixas etárias. No entanto como se passa nos anos 80, pode criar nostálgica à infância de muitos. Apesar de ainda ser pequena, foca-se no essencial e não espalha-se como episódios forçados que muitas vezes acontecem nas séries que vemos. A segunda temporada já foi confirmada e eu aguardo ansiosamente.
Quem já viu esta série? Gostaram?

Listas, Séries

As Séries Canceladas e Renovadas

Pois é, tudo tem um fim…ou não. O mês de Maio é um mês de decisões para os maiores canais televisivos norte-americanos. Têm de fazer planos para o que querem e o que não querem continuar a colocar no ar. Quem sobre mais sofre são as séries. É uma altura louca para os viciados, será que vai ser renovada ou cancelada a minha série favorita? Depois de semanas de especulação é chegado o veredicto final e esta foi a decisão. Mas não se preocupem, que mais séries televisivas chegaram. Vou começar primeiro com as más notícias:

Séries Canceladas

canceladas 1

A série “2 Broke Girls” será cancelada após as seis temporadas que esteve no ar desde o ano de  2011. Max e Caroline já não vão fazer parte da comédia na televisão. “Dead of Summer” só conseguiu uma temporada, mas as baixas audiências ditaram o seu fim. A Freeform anunciou que não irá renovar. The Last Man Standing protagonizada por Tim Allen também vai terminar após seis temporadas. A comédia sobre um homem num mundo de mulheres. A Netflix falou e Marco Polo” não vai continuar, a série histórica termina após duas boas temporadas. “Masters of Sexnão terá a quinta temporada, pois a Showtime decidiu não encomendar mais episódios.

canceladas 2

A série da FOX “Pitch” começou por ser interessante, sobre a primeira mulher no mundo do basebol, mas não passou da primeira temporada, não será renovada. A série “Reign” terá a sua história terminada na quarta temporada. “Rosewood” da FOX conseguiu chegar às duas temporadas, mas não vai ultrapassar disso. “Scandal” da ABC será renovada até à sétima temporada que terá estreia marcada para fevereiro de 2018. “Sleepy Hollow” já não estava a aguentar a pressão, após a saída da protagonista, agora o seu fim é certo, não foi renovada para a quinta temporada. A HBO anunciou que a quarta temporada de “Leftovers” será a última.

Séries Renovadas

Renovadas 1

A nova série da Netflix “A Series of Unfortunate Events” protagonizada por Neil Patrick Harris será renovada para a segunda e terceira temporada. A AMC encomendou mais episódios de “Fear the Walking Dead” para a sua quarta temporada. “Into the Badlands” da AMC tem tido um incrível sucesso pois junta ação e artes marciais, terá uma terceira temporada com 16 episódios. “Legion” da FOX conseguiu alguns seguidores e foi recompensada com a segunda temporada. “The Magicians” também tem conquistado o seu território e por isso a Syfy renovou para terceira temporada este drama de fantasia.

Renovadas 2

The Handmaid’s Tale” com apenas um episódio conseguiu a renovação para a segunda temporada. Esta série é da HULU. “Nashville” entre termina e não, cá vai continuando devido aos fãs. A CMT renovou para a segunda temporada no canal, mas sexta no total. “Santa Clarita Diet” com Drew Barrymore marcou estreia na Netflix e terá segunda temporada. Da Freeform temos “Shadowhunters” que não funcionou muito bem em filme, mas em televisão tem dado frutos. Será renovada para a terceira temporada. “X-Files” o grande sucesso dos anos 90 está de volta após um revival vai continuar numa segunda parte.

Séries como “Supergirl“, “Flash”, “Arrow”, “Anatomia de Grey”, “Supernatural“, “Once Upon a Time“, “This is Us“, “Legends of Tomorrow” também foram renovadas para mais uma temporada.

O que acharam destas renovações e cancelamentos?

 

Séries

Girlboss

De auto-estima elevada e nariz empinado assim é a protagonista de “Girlboss“, Sophia Amoruso. Baseada em factos verídicos sobre a início da idade adulta até à construção do seu império. Empreendedora de roupa vintage, começou o seu negócio online e agora já consegue manter o seu inventário em loja física.  Mas nem tudo foi fácil para Sophia. Interpretada pela jovem atriz Britt Robertson que tem dado largos passos na sua carreira, acompanhamos durante 13 episódios de 20 minutos na plataforma Netflix a evolução desta carismática personagem.

Aos 22 anos e como grito de independência decidiu sair da casa dos pais e abandonou a escola. Indecisa sobre a sua vida e o que a motivada, chegou a roubar e nas lixeiras à procura de sustento. Também trabalhou de forma a manter o seu plano de saúde. Contudo a marca Nasty Gal veio mudar a sua vida quando decidiu comprar roupa vintage, e vende-la no ebay a um preço superior. O lucro não tardou a chegar e assim criava a sua forma de vida.

Além de algumas dificuldades dos primeiros passos como empreendedora, esta série original da Netflix foca-se na amizade, e no amor. Principalmente nos tempos que correm em que a oferta de emprego é apertada, “Girlboss” oferece sugestões para a criação de um negócio numa área que seja do nosso interesse. Não existem facilitismos, apenas originalidade e muito trabalho. Esta série é bastante divertida  e como é pequena não se torna cansativa, muito pelo contrário queremos continuar a acompanhar esta história. A atriz Britt Robertson mantém uma atitude bastante diferente ás suas anteriores presenças. Rebelde e mais arrogante mantém uma personalidade mais espontânea e irreverente. Quem já assistiu a esta série? Dêem a vossa opinião.

Séries

Outlander

Outlander não é um trama normal de viagens no tempo. A sua profundidade histórica leva o telespectador exactamente para o tempo em questão. Esta é uma das suas qualidades, consegue ser tão real ao ponto de ser considerada aceitável. No epicentro da história temos Claire Randall, uma enfermeira militar da 2ª Guerra Mundial que após esse período negro, desfruta de uma férias com o seu marido, Frank (Tobias Menzies), na Escócia. O momento de lua-de-mel muda quando Claire (Caitriona Balfe) é transportada para o ano de 1743, onde conhece Jamie Fraser (Sam Heughan) um escocês que vive em luta contra os exercito britânico.

A série baseada nos livros Diana Gabaldon ganham uma nova vida na televisão. Percorremos as paisagens lindas da Escócia para conhecermos uma história de romance, e drama que transcende o tempo. Vista pela primeira pessoa, acompanhamos os pensamentos de Claire à medida que o trama progride.

Outlander-2

Durante duas temporadas atuais (este ano será lançada a terceira temporada), não admira que esta seja das melhores séries do género. As personagens foram todas minuciosamente criadas cada uma com a sua própria personalidade, apresentado um desenvolvimento seguro à medida que a série avança. Além disso ficamos a conhecer momentos reais que marcaram a história do Reino Unido.

O texto está bastante bem escrito e isso reflecte-se na qualidade emocional das personagens. O espectador é muitas vezes confrontado com momentos de puro drama, mas necessário. Para quem aprecia séries históricas esta é sem dúvida uma excelente escolha. Agora aguardo atenciosamente pela terceira temporada, que estreia no outono deste ano.

Séries

Por 13 Razões

De quem é a culpa?

A Netflix brindou-nos com uma nova série no final do mês de março. “Por 13 Razões” foca-se numa mensagem forte, tão forte que conseguiu por toda a internet a falar sobre o assunto. Baseado nos livros de Jay Asher, “13 Reasons Why” é uma série original do canal de streaming que foca-se na vida, ou melhor na morte de Hannah Baker. Hannah é a protagonista desta história, mesmo já estando morta. Durante 13 episódios acompanhamos a experiência de Hannah que levou à sua escolha de tirar a própria vida. O suicídio juvenil é na maioria causado devido ao bullying, e esta série tornou-se num abre-olhos que causou o aumento nas linhas de ajuda aos jovens. Hannah Baker (Katherine Langford) explica em sete cassetes, 13 razões que a levaram ao seu fim. Clay Jensen (Dylan Minnette) um rapaz tímido que sempre admirou Hannah recebe numa caixa de sapatos e assim começa a descobrir a verdade por tudo o que a sua amiga passou.

13 Reasons Why” é muito mais do que uma série de adolescente. Toca na ferida, de assuntos sérios como a desigualdade de sexos, o bullying, a homosexualidade, a violação, a depressão, as drogas, o alcoolismo, o assédio sexual e a morte. Durante 13 episódios sentimos na pele as dificuldades emocionais e psicológicas de Hannah. Todos nós somos esta personagem, mas também somos as outras. O que é importante reter desta série é que ninguém está sozinho e devemos tentar perceber o lado do outro. Não sabemos o que se passa na cabeça de cada um, mas é nossa obrigação tentarmos conversar quando notamos algo de errado. Com um argumento bem escrito, personagens interessantes e reais, com uma história profunda, “Por 13 Razões” é um trama que merece ser visto e reflectido. Podemos estar a salvar vidas, pois tudo o que precisam é um amigo. A Netflix é a principal responsável desta produção que já conseguiu muitos fãs. O final foi forte e ainda deixou muito por resolver. Será que vão produzir uma segunda temporada?

Séries

Gilmore Girls: A Year in the Life

Se existe série que merecia um revival, Gilmore Girls é essa série. O final foi insosso e deixou o público cheio de dúvidas. Bem para os fãs da série na altura tiveram de esperar 9 anos para saber o que aconteceu às personagens. No meu caso foi apenas um dia, já que tenho a Netflix assisti a todos os episódios de “Gilmore Girls” de rajada, aproveitando para assistir a “A Year in the Life“. Durante 4 episódios correspondente às estações do ano temos durante 1hora e 30 minutos (sim, parece quase um filme) a continuação da história, para ficarmos a saber o que aconteceu a Lorelai, Rory, Luke, Emily, Lane e a todos os habitantes de Stars Hollow.

Inverno

I smell snow” é das famosas frases de Lorelai Gilmore. Remarcando que tudo de bom acontece quando neva. “A Year in the Life” não podia ter começado melhor. Neste episódio percebemos que Lorelai ainda está com Luke (apesar do casamento não ter acontecido), e ambos procuram alternativas para mudar de vida, pensam na solução de barriga de aluguer para terem um filho em conjunto. Rory inesperadamente não está a ter uma carreira de sucesso no jornalismo. Vive de trabalho freelancer entre os E.U.A. e Londres, onde se costuma encontrar com Logan. Os habitantes de Stars Hollows continuam por lá, é o caso de Kirk, Miss Patty, Taylor, Babette…Entretanto Lorelai, Rory e Emily tentam superar a morte de Richard que faleceu recentemente

Primavera

Nesta estação voltamos aos tempos de escola, quando Rory andava em Chilton. Ela e a sua amiga Paris são convidadas pelo diretor para uma palestra de incentivo aos jovens. Rory tenta acalmar a amiga que tem um casamento falhado com Doyle, com dois filhos enquanto gere uma empresa de barrigas de aluguer. Lorelai e Emily fazem terapia juntas com o propósito de resolverem os seus problemas. Este foi o episódio que mais gostei, foram gargalhadas atrás de gargalhadas. Muito bem escrito.

Verão

Ainda confrontada com a dura realidade de não conseguir um emprego estável como jornalista, Rory trabalha em Stars Hollow para salvar o jornal local. Ainda sem estar integrada, recebe um conselho de Jess para escrever um livro da sua vida. Lorelai enfrenta problemas na estalagem e pensa em aumentar o espaço. Emily começa a rejeitar a sua vida após o falecimento do seu marido. Rory decide que chegou a hora de terminar de vez com Logan. Este episódio foi mais uma retrospectiva para o último.

Outono

Neste último episódio Rory já começou a escrever o seu livro, ao contrário da opinião da mãe. Lorelai decide caminhar numa jornada de auto-descoberta. Decide repensar na sua relação com Luke e a perda do pai. A conclusão a que chega ajudou-a a recuperar o significado pela vida e a relação com a sua mãe aumenta. Emily decide mudar. Rory reencontra-se com Dean. Logan decide preparar uma surpresa de despedida à ex-namorada. Lorelai e Luke finalmente dão o grande passo na relação.

Amy Sherman-Palladino voltou a fazer um excelente trabalho em “Gilmore Girls”, juntamente com a Netflix está foi uma decisão necessária e que andava na imaginação dos fãs. A sátira utilizada pelas Gilmore continua lá. Um humor atual e bem-disposto que torna esta série única. Estes quatro episódios foram muito bem conseguidos e na sua maioria pela disponibilidade dos atores. Já o final foi inesperado e talvez possa insinuar uma continuação.

Quem não se lembra?, Séries

Gilmore Girls – Tal Mãe Tal Filha

Gilmore Girls-1

Gilmore Girls prolongou-se durante sete temporadas durante os anos 2000 a 2007. No epicentro da história temos Lorelai Gilmore (Lauren Graham) e a sua filha de 17 anos Rory (Alexis Bledel). Ambas mantém uma relação mãe-filha de melhores amigas e confidentes. Esse é o fio condutor desta série televisiva, as dificuldades de uma mãe solteira, que engravidou aos 17 anos e abandonou família com dinheiro para viver independentemente. Agora com a filha adolescente, tenta voltar a conviver com os seus pais, devido a um trato que Lorelai fez porque precisava de ajuda a pagar a escola privada da filha.

O enredo não é muito denso, nem apresenta uma evolução durante estas sete temporadas. Esta é um dos pontos mais desfavoráveis à série. O espaço divide-se apenas em Stars Hollow, a calma vila onde estão sempre a acontecer eventos, os jantares de sexta-feira à noite, e a escola de Rory, Cliton ou Yale. Já os acontecimentos de “Gilmore Girls” baseiam-se muito no mesmo. Como expliquei anteriormente, não existem grandes dramas aqui. Talvez para não abalar o registo dinâmico e descontraído da série. As relações amorosas de Lorelai e Rory são os temas mais expostos, assim como a má relação entre Lorelai e a mãe. Pequenos confrontos que abalam a família e pouco mais. Entretanto o tema casamento filhos é um ponto recorrente nas personagens do trama.

Gilmore Girls-2

Não foi amor à primeira vista por esta série. Escolhi ver, porque a Netflix fez uma adaptação de A Year in the Life da série, quase 10 anos após a último episódio. Achei interessante essa situação e então propus-me a ver. O meu gosto pela série surgiu por volta do quinto episódio quando Dean começa a namoriscar com Rory. Inicialmente considerava as personagens criadas com personalidades forçadas. Exemplo da Sookie (Melissa Mccarthy) a cozinheira desastrada e melhor amiga de Lorelai, e Michel (Yanic Allan Truesdale) o colega intolerável, mas de bom coração que trabalha na pousada e até Kirk (Sean Gunn), o tosco habitante de Stars Hollow que faz tudo. Contudo fui-me habituando a estas personagens. O ponto mais favorável de “Gilmore Girls” é qualidade do diálogo, que não vemos em mais lado nenhum.

O tom de ironia frequentemente utilizado com a abordagem de temas atuais é a grande preciosidade desta série. Amy Sherman-Palladino é a grande criadora desta vivacidade no argumento. “Gilmore Girls” está recheada de quotes e expressões que marcaram uma geração.  Os diálogos das meninas Gilmore são intensos com um humor fora de comum. O que também torna esta série natural e expressiva é o profissionalismo dos atores que vivem como uma família. Lauren e Alexis tornaram-se mesmo mãe e filha e tal ligação é notória durante os episódios da série. O papel de Lorelai Gilmore foi mesmo feito para Lauren, a energia e vivacidade que a atriz apresenta para a personagem são únicos. A Netflix não podia ter feito melhor em nos preparar um revival desta série, já que o final ainda ficou em aberto.