Crítica

Crítica: Star Wars – O Despertar da Força

star wars 3

Título: Star Wars Episode VII The Force Awakens

Ano: 2015

Realização: J.J. Abrams

Interpretes: Daisy Ridley, Carrie Fisher, Harrison Ford, Mark Hamill, John Boyega, Adam Driver…

Sinopse: Sétimo filme da saga criada por George Lucas, cuja história decorre aproximadamente 30 anos depois de “O Regresso de Jedi” e aborda a luta da Resistência (antiga Aliança Rebelde) contra a Primeira Ordem (antigo Império Galáctico).

Star wars 1

[Não Contém Spoilers]

Star Wars voltou com toda a sua força. Literalmente. Depois de seis excelentes filmes, a saga continua com mais uma trilogia. Após conseguir comprar os direitos do Lucasfilms a George Lucas, realizador da saga, a Disney arriscou no lançamento de uma série de filmes e merchandising de Star Wars. O resultado não podia ter corrido melhor. O filme no seu geral é o agrado dos fãs. O realizador J.J. Abrams conseguiu reunir num só filme, a nostalgia da história anterior, culminado com a vivacidade da nova geração de heróis. Logo no início do filme temos a sensação que conhecíamos tudo que lá estava, mantém-se tudo igual. Mas na verdade está tudo diferente.

O que de melhor se passou

O cast. As novas personagens começam a aparecer e logo começamos a gostar de cada uma delas. A energia dos jovens atores é contagiante, e logo prevemos que a história será interessante. Daisy Ridley que interpreta a solitária mas corajosa Rey, consegue surpreender num papel feminino de destaque. Ao lado de Daisy temos John Boyega, ou Finn, em que o caminho de ambos se junta e terão uma grande aventura pela frente. O poder do lado negro da força é imediatamente revelado, Kylo Ren é intimidante e poderoso. Adam Driver consegue ser um bom (ou devo dizer mau?) vilão. O cast antigo dos filmes, Harrison Ford, Carrie Fisher e Mark Hamill mantêm-se tal como as suas personagens. O humor de Han Solo, a liderança da Princesa Leia (que agora é general) e a responsabilidade de Luke Skywalker. Sem esquecer das personagens como Chewbacca, CP3-O, R2-D2 e ainda o novo dróide BB-8 que torna o filme bem mais divertido.

As paisagens do filme são de uma beleza extrema. Tudo foi pensado a pormenor e a equipa de efeitos visuais  trabalhou arduamente para recriar os cenários de Star Wars. Os extraterrestres que fazem parte deste universo, estavam bem caracterizados. Estavam tão bem, que para mim foi-me difícil identificar a atriz Lupita Nyong’o. Uma vantagem para mim, foi assistir ao filme em IMAX 3D, o nível do detalhe era inigualável, tanto nas feições dos atores, como nas cenas do espaço. O filme estava bem preparado para este formato. Apesar do preço do bilhete ser mais caro, compensou bastante.

O plot estava bem elaborado. Acredito que tenha sido difícil para os produtores e argumentistas, agrupar todo o enredo de Star Wars, em que junta-se os filmes antigos, com uma nova história. Felizmente conseguiram superar as expectativas. Os diálogos do filme é outro dos factores favoráveis ao seu sucesso. Linguagem simples, momentos de humor e inspiração.

star wars 2

O que de pior se passou

Muitas pessoas concordam que The Force Awakens não passa de um remake do filme de 1977, Star Wars Episode IV. Na minha opinião eu não vejo qual é o mal. Tal como o primeiro filme de Star Wars que saiu para os cinemas, este também é um refresh da história, com uma nova geração de heróis.

O bem prevalece sobre o mal. Sempre? Eu não queria ser muito spoiler, aliás quem assistir ao filme vai perceber. A ameaça deste filme é bem maior (talvez o triplo) da Death Star. Por isso esperava eu um plano estratégico e não uma missão suicida. Mas o que conta são os momentos dramáticos, de humor e ação que fazem o espectador esquecer-se por completo disso.

 Concluindo o que torna este filme tão bom é que foi realizado de forma agradar a antigos fanáticos e a conseguir uma nova geração de fãs. Tudo compactado num só filme, onde várias referências ao mundo de Star Wars que conhecíamos é visível em vários momentos do filme. Admiro a realização de J.J.Abrams e só tenho pena que não seja ele o próximo realizador da sequela. Neste filme vou arriscar na pontuação e aconselho a todos a irem ver às salas de cinema.O blogue atribui 5 estrelas em 5.

golden_star2golden_star2golden_star2golden_star2golden_star2 (quase, quase 5)

Anúncios

2 thoughts on “Crítica: Star Wars – O Despertar da Força”

  1. All those feelings *.* Mesmo após uma segunda visualização permanece grande e, quanto ao argumento das semelhanças com o episódio IV foi uma estratégia que funcionou e bem e que trouxe ao de cima a nostalgia com uma combinação de elementos da trilogia original com o melhor do entretenimento atual! Um grande presentinho de Natal aqui para a malta 😉 Uma boa análise já agora 😀
    Boas festas!

    Liked by 1 person

  2. Nem digas nada 🙂 tudo perfeito e empolgante. Parecia mesmo que estava a ver “Star Wars” pela primeira vez xD Muito bom mesmo. Para mim, foi mesmo um fantástico presente de natal. Obrigado, também gostei muito da tua crítica 😀 Feliz Ano! E parabéns novamente pelo Panda’s Choice, muito sucesso e continua sempre assim.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s