Crítica: Jurassic World

Em 1993, Steven Spielberg realizou um dos filmes mais icónicos da cultura pop, Jurassic Park, era a mistura entre uma história empolgante e efeitos visuais avançados. Agora, passados 22 anos os dinossauros voltaram a invadir os cinemas.

 

Os dinossauros voltaram à vida

Em 1993, Steven Spielberg realizou um dos filmes mais icónicos da cultura pop, Jurassic Park, era a mistura entre uma história empolgante e efeitos visuais avançados. Agora, passados 22 anos os dinossauros voltaram a invadir os cinemas.

Não, não é um remake. Jurassic World ocorre anos depois dos incidentes do filme anterior. Um novo parque construído sobre o original que tem como principal atração várias espécies de dinossauro. Não aprendendo com os erros do passado, criaram um novo animal geneticamente modificado. Indominus Rex é mais assustador, mais alto, mais inteligente e tem mais dentes. Esta foi a fórmula perfeita que encontraram para angariação de lucros do desejo consumista da área turística. Ou talvez não. Este novo dinossauro híbrido ia ser o delírio dos mais novos e o pior pesadelo dos pais. No entanto, o que não esperavam era que escapa-se da jaula onde estava retido e se torna-se numa ameaça e um inimigo difícil de derrotar.

Jurassic World teve um início de filme brilhante, mas que logo se dispersou completamente. Algumas pontas soltas foram deixadas à imaginação do espectador, como o passado de algumas das personagens que não foi bem explicado.
O elenco principal centra-se em Owen (Chris Pratt) e Claire (Bryce Dallas Howard), que, apesar de terem personalidades bastante diferentes, terão de trabalhar em equipa. Chris Pratt apresenta-se como um rebelde galã ao estilo Indiana Jones, é ele o escolhido para dominar os dinossauros. Bryce dá o apoio e prova que não é uma mulher delicada, consegue ser inteligente mesmo com toda a situação que a rodeia. Apesar de o plot estar fraco (já que este filme não acrescenta nada de novo, comparado com os anteriores), os efeitos visuais são um regalo aos olhos. A tecnologia utilizada para a reconstrução dos dinossauros está bastante realística. Devo dizer que Jurassic World é mais violento, diferente do original.

Concluindo, o filme está bom, um óptimo entretenimento, mas não era a mim que me apanhavam naquele parque. Ver dinossauros só mesmo no cinema.

The Indominus rex. We needed something scary and easy to pronounce.”

Autor: beautifuldreams

Licenciada em Ciências da Comunicação, adoro escrever e ler. Sou lontra de sofá, amante de filmes e séries televisivas, vejo tudo o que posso. Aprendiz de geek, vivo num mundo de fantasia. Adoro a vida e ainda há tanto para descobrir.

Um pensamento em “Crítica: Jurassic World”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: